Connect with us

Sociedade

Matias Damásio: Advogados exercem direito de resposta

Published

on

O Jornal online, Correio da Kianda, publicou, no dia 20 Outubro de 2018, uma reportagem sobre o processo-crime instaurado, pelas autoridades angolanas, contra o músico, Matias Damásio, em consequência do incumprimento de uma cláusula contratual entre este e a Casa Andy, uma empresa de direito angolano.

Na mesma reportagem, o Correio da Kianda cita fontes não reveladas que informam que os representantes legais do músico o terão abandonado por incumprimentos contratuais. No entanto, cita também, o escritório RC&A-Advogados, – com o qual falou – como sendo o responsável pela defesa do mesmo, no caso em concreto.

Porém, este escritório é de opinião que os motivos que levaram a rescisão do contrato, entre as partes, não foi o apresentado pelo Jornal, pelo que, entende, do seu jeito, repor a verdade dos factos.

Assim, nos termos do Capítulo Vº – Direito de Resposta e Rectificação – artº. 73º – Pressupostos do direito de resposta e de rectificação – conjugado com o artº 74º – Exercício do direito de resposta e de rectificação ambos da lei de imprensa, o Correio da Kianda publica, na íntegra, a carta recebida do RC&A –Advogados R.L. como direito de resposta…

Ao
CORREIO DA KIANDA.
LUANDA.
Ref. 046/RCA & A/2018
ASSUNTO: Exercício do Direito de Resposta.
A RC&A – ADVOGADOS Sociedade de Advogados R.L, vem na sequência da publicação feita por este órgão de comunicação, no dia 20 de Outubro de 2018 e posta a circular nas redes sociais, exercer o seu direito de resposta, o que faz nos seguintes termos:

1º Não corresponde à verdade a insinuação feita pelo articulista do texto em questão, quando refere que a RC&A, deixou de representar o músico, Matias Damásio, no processo em questão, por alegados incumprimentos do músico para com o escritório;

2º A RC&A esclarece que sempre manteve uma relação de mandato profícua com o músico em causa e com os seus demais constituintes, sendo razões de incompatibilidade de agenda que justificaram a impossibilidade de representação, pelo Escritório, no caso em concreto e não aquela que o Correio da Kianda fez passar na sua publicação.

3º Por esta razão e em nome da verdade e do profissionalismo que se impõem no exercício de um jornalismo isento e imaculado, a RC&A solicita que seja publicada a presente resposta, pela mesma via, para conhecimento da opinião pública nacional e internacional.

Luanda, 23 de Outubro de 2018

As Advogadas
Elma Teca
Artemísia Martins

Colunistas