Conecte-se agora

Politica

Malária mata 25 pessoas por dia em Angola

Redação

Publicados

on

malária mata 25 pessoas por dia em angola - hospital  cirurgia 02 fabio lu1 - Malária mata 25 pessoas por dia em Angola

Nos primeiros 3 meses de 2018, Angola acordou dia após dia para a mesma realidade: a cada 24 horas cerca de 25 mortes por malária.

Com um plano de emergência de combate à doença em marcha, Angola continua, no entanto, a ser fustigada pela malária, que é a primeira causa de morte no país e o principal motivo de internamentos hospitalares e de abstenção escolar e laboral.

Alexandrina Batalha conhece bem esta realidade. É a primeira angolana doutorada em Portugal e dedicou os últimos anos da sua vida a investigar a prevalência e propagação de doenças endémicas no continente africano. Em 2015, publicou a tese de doutoramento “Geopolítica das Grandes Pandemias e Endemias na África Subsaariana”. Para a investigadora, a incidência da malária em África “não é um problema de saúde, mas de políticas de saúde” e as causas estão bem identificadas.

“Em Angola morrem 2100 pessoas derivado a picada de mosquitos, que é uma doença antropogénica, que é uma doença que está dependente da vontade política para ser erradicada. E essa doença não tem muito a ver com o ambiente, mas principalmente tem a ver com as más políticas de saúde, com a falta de saneamento básico, com a falta de água potável, latrinas nas habitações, enfim, todo um conjunto de indicadores de pobreza que mostram realmente que não há uma política de saúde e que nós temos tido infelizmente dirigentes corruptos, que são eles que conservam a pobreza, e eu afirmo mais uma vez que a pobreza e a corrupção são as grandes pandemias que colocam África Subsaariana na cauda do desenvolvimento do mundo”, defende a investigadora.

No início deste ano, a Ministra da Saúde Angolana, Sílvia Lutucuta, já tinha anunciado um programa de emergência de combate à malária, tendo em conta os números de 2017, que apontavam para cerca de 4 mil mortes pela doença até Agosto.

No entanto, numa análise ao orçamento de Estado para 2018, a organização não-governamental angolana ADRA e a Unicef alertaram para um decréscimo do investimento do executivo na saúde.

Contactado pela Euronews, o Ministério da Saúde de Angola não se mostrou disponível para prestar declarações até à data de publicação desta reportagem.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD