Connect with us

Sociedade

Mais de 400 mortos nas inundações no Leste da RDC

Published

on

O número de mortos em enchentes que devastaram dois vilarejos no Leste da República Democrática do Congo na semana passada mais do que dobrou, para 401, disse o governador da província esta segunda-feira, 08, tornando-se um dos desastres naturais mais mortíferos da história recente do país.

Mais corpos estavam sendo recuperados na segunda-feira, somando-se às dezenas de outros que foram embrulhados em sacos e empilhados em valas comuns no fim de semana, disseram fontes da sociedade civil local.

As aldeias de Bushushu e Nyamukubi no território de Kalehe, província de Kivu do Sul, foram inundadas na quinta-feira depois que dias de chuva torrencial causaram deslizamentos de terra e transbordaram rios.

Pelo menos 176 pessoas morreram na sexta-feira, enquanto trabalhadores humanitários vasculhavam os restos das aldeias devastadas para recuperar corpos cobertos de lama dos escombros, com centenas de pessoas ainda desaparecidas.

O governador de Kivu do Sul, Theo Ngwabidje Kasi, disse à Reuters na segunda-feira que o número de mortos agora é de 401, não tendo fornecido mais detalhes.

“É a pior enchente que já tivemos”, disse o representante da sociedade civil, Christian Zihindula Bazibuhe, acrescentando que os corpos ainda estavam flutuando no lago Kivu.

O governo central em Kinshasa ainda não comunicou o número de mortos. Enviou uma delegação a Kalehe e declarou segunda-feira dia de luto nacional.

A agência humanitária das Nações Unidas, OCHA, disse no domingo que pelo menos 270 mortes foram confirmadas até agora, com mais de 300 pessoas ainda desaparecidas.

“Cerca de 3.000 famílias perderam suas casas”, acrescentou.

As temperaturas mais altas devido às mudanças climáticas estão aumentando a intensidade e a frequência das chuvas em África, de acordo com especialistas em clima das Nações Unidas.

Isso pode aumentar a destruição causada pelas inundações e deslizamentos de terra que já eram comuns no Kivu do Sul. O planeamento urbano deficiente e a infra-estrutura precária também a tornam mais vulnerável a tais eventos.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *