Connect with us

eleições

Mais de 22 mil cidadãos aptos a votar a partir da diáspora

Published

on

Dados do Balcão Único de Atendimento ao Público, a que o Correio da Kianda teve acesso nesta terça-feira, 21, revelam que são no total 22.560 cidadãos nacionais que pela primeira vez vão votar nas eleições gerais a partir da diáspora angolana.

Portugal representa o país com mais cidadãos angolanos habilitados a votar nas eleições de 24 de Agosto, a partir do exterior, com um total de 7.748 cidadãos, sendo que 6.097 estão em Lisboa, ao passo que os restantes 1.651 vão votar nas Assembleias de Votos na cidade do Porto.

A República da Namíbia tem a segunda maior comunidade de eleitores na diáspora angolana. 2487 cidadãos angolanos estão habilitados a votar em três principais cidades naquele país da África Austral. Em Windhoek estão registados 1.130, em Oshakati 403 e na cidade de Rundu estão habilitados 954 cidadãos angolanos maiores de idade.

Na lista de 12 países, entre africanos (5) europeus (6) e América latina (1), a Alemanha apresenta-se como a que tem a menor comunidade de angolanos habilitados às urnas do dia 24 de Agosto. São 152 cidadãos angolanos que vão votar em Berlin para a escolha do Presidente da República, Vice-Presidente da República, Presidente da Assembleia Nacional, bem como dos Deputados à Assembleia Nacional.

Esses 22.560 cidadãos fazem parte da Base de Dados geral onde estão os 14.376.831 registados e habilitados para exercer o direito de voto.

Os dados datados de 13 de junho corrente mostram que Luanda continua a ser a maior praça eleitoral, com 32,5% de toda população votante. Huíla com 8,6%, Benguela (8,6%) e Huambo com 7,7% vêm a seguir a Luanda.

Entretanto, Lunda Sul (1,9), Namibe (1,8%)  Bengo (1,8%) e Cuanza Norte são as províncias cuja população votante constitui as menores do país.

Em termos de tipificação por fonte, os 14.399,391 eleitores que constam da base de dados de cidadãos maiores, a nível nacional, 210,275 são novos eleitores com cartão de Eleitor emitido no BUAP, 4.906,818 eleitores actualizados no BUAP ou na Missão Diplomática e Consular. Entretanto, 2.813,552 não foram ao BUAP pelo que os seus dados deram entrada via Registo Eleitoral Oficioso, do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos. A maior percentagem (45%) é de cidadãos cujos dados já se encontravam no ficheiro, por terem feito o registo ou actualização dos dados eleitorais para as eleições de 2017. O número destes cidadãos é de 6.468,746.

As mulheres com 7.361,892 constituem a maioria, com 51% dos votantes, contra os 7.037,499 de cidadãos do sexo masculino.

Em termos de idade, cidadãos com menos de 25 anos apresentam-se como a maior franja da população votante, ao constituírem um universo de 3,056,324. Destes 3.618 fizeram a actualização dos seus dados no exterior.

A segunda maior população votante para as eleições de 24 de Agosto deste ano são os cidadãos cujas idades variam dos 25 aos 30 anos de idade. Eles são, de acordo com dados consultados pelo Correio da Kianda, 2.121,912 eleitores.

Dos 30 aos 35 anos de idade, os dados mostram que são no total 1.880.702 eleitores, sendo que destes, 2.518 estão na diáspora.

Dos 35 aos 40 anos os eleitores são no total 1,656,314 eleitores (2.437 na diáspora). Já os cidadão maiores, cujas idades variam dos 40 aos 45 anos de idade, a base de dados mostra o número de 1.290,722 (2,480 na diáspora). Os cidadãos dos 45 aos 50 anos de idade são 1,186,313 cidadãos eleitores ( 2.485 na diáspora).

Os números mais baixos da base de dados, em termo de grupos etários são de cidadãos cujas idades variam dos 50 aos 55 anos de idade (888.543), dos 55 aos 60 anos (712.895 cidadãos eleitores) e dos 60 aos 65 anos (560.850 cidadãos).

Um dado a reter é que os cidadãos com mais de 65 anos de idade são total, 1.044,816, sendo que destes, 1.679 vão exercer o seu direito de voto a partir do exterior.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Colunistas

© 2017 - 2022 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD