Connect with us

Sociedade

Mais de 17 mil professores passam a receber acima de 300 mil kwanzas

Published

on

O Ministério da Educação concluiu as acções de ingresso e progressão das carreiras do pessoal, com o acréscimo de mais 17.517 agentes, que passaram a auferir mais de 300 mil kwanzas, já a partir desse mês de Janeiro.

Segundo explicou a Directora de Recursos Humanos do Ministério da Educação, Laudemira Sousa, este é um processo que decorre desde 2018, tendo sido feita a transição de mais de 180 mil agentes da educação do antigo para o novo estatuto da carreira docente de todos os professores que estão no sector há mais de dez anos.

“Esse movimento de promoções por ingresso e por acesso ocorreu durante esse período valorizando o perfil académico e tempo de serviço de todos aqueles profissionais que estão connosco no sector há mais de dez anos”, explicou.

Laudemira Sousa disse ainda que “desde 2018 o sector da Educação vem realizando concursos de promoção por ingresso e por acesso. Neste mesmo ano, tivemos o ingresso para todos aqueles que atingiam nove perfis académicos. Terminamos em 2019, retomamos em 2020, com a promoção de mais de 135 mil professores. Esse processo decorreu em várias fases, portanto teve o seu início em 2021 e encerra agora, em Janeiro”.

Segundo a gestora, o novo salário acima de 300 mil kwanzas, já se reflectiu em Janeiro nas contas de 17.517 agentes. A gestora expôs ainda que na primeira fase, 96.328 agentes foram promovidos, 19.574 na segunda fase, “e hoje, para encerrar o processo, temos já reflectido nas folhas de Janeiro 17.517”.

Avançou também que 2.285 agentes estão na pendência por diversas motivos, como, por exemplo documentação incompleta.

Dentro do Plano Nacional de Formação e Gestão do Pessoal Docente, um técnico médio que auferia 117 mil kwanzas, passa a ganhar cerca de 350 mil kwanzas. Contudo, reforça, tal alteração é apenas para os docentes que possuem mais de dez anos de profissão. 

Formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, a profissional actua no mercado de comunicação há 18 anos. Iniciou a sua carreira em 2004, apresentando um programa de rádio e logo migrou para a comunicação digital, para a impressa e, posteriormente, a institucional. Tem vasta experiência como web journalist, criação e gestão de redes sociais, tendo participado dos projectos de desenvolvimento de diversos sites, blogs e redes sociais governamentais, privados e do terceiro sector. Reside em Luanda desde 2012, tendo trabalhado como jornalista no portal de notícias Rede Angola, como assessora de imprensa e directora de Comunicação e Operações nas Agências NC - Núcleo de Comunicação e F.O.T.Y, atendendo diversos clientes governamentais e privados. Actualmente trabalha como editora do portal Correio da Kianda.

Colunistas