Connect with us

Economia

Linha Amarela do Metro vai beneficiar mais de três milhões de cidadãos

Published

on

O Presidente da República, João Lourenço, aprovou a despesa e contratação simplificada da empreitada de construção da Linha Amarela do Metro de Superfície de Luanda, no valor de 1.3 mil milhões de euros, com a fase inicial a abranger o troço entre o Porto de Luanda e a centralidade do Kilamba.

O Decreto Presidencial datado de 22 de Março informa que o governante optou pelo processo de contratação simplificada da Siemens Mobility para a “concepção, construção, implementação, fornecimento de equipamentos e tecnologia” relativos à Linha Amarela do futuro Metro de Superfície de Luanda, que terá uma extensão aproximada de 39 quilómetros, beneficiando cerca de três milhões de habitantes, dos quais 65 por cento desloca-se diariamente para o centro da cidade.

De recordar que o Executivo já havia anunciado, em Julho de 2021, que a companhia alemã Siemens Mobility é a escolhida, desde então, para construir, o Metro de Superfície de Luanda, no âmbito de uma Parceria Público-Privada, cujo arranque inicial estava previsto para 2019.

A 7 de Fevereiro daquele ano, o director-executivo da Siemens Mobility, Michael Peter, e o ministro dos Transportes de Angola, Ricardo D’Abreu, assinaram, em Luanda, um memorando de entendimento que certifica a parceria.

Angola terá uma participação minoritária no projecto, que ronda os 30 por cento, cabendo à outra parte (70%). A linha do Metro de Superfície, que consta das prioridades do Executivo angolano, vai ter, ao todo, uma extensão de 149 quilómetros.

Além do Metro de Superfície, o Plano Director de Luanda, já aprovado pelo Executivo, prevê também dois sistemas de Metro de Superfície, designadamente o Bus Rapid Transit (BRT) e o Veículo Rápido sobre Trilhos (carris), abreviadamente VLT.

Formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, a profissional actua no mercado de comunicação há 18 anos. Iniciou a sua carreira em 2004, apresentando um programa de rádio e logo migrou para a comunicação digital, para a impressa e, posteriormente, a institucional. Tem vasta experiência como web journalist, criação e gestão de redes sociais, tendo participado dos projectos de desenvolvimento de diversos sites, blogs e redes sociais governamentais, privados e do terceiro sector. Reside em Luanda desde 2012, tendo trabalhado como jornalista no portal de notícias Rede Angola, como assessora de imprensa e directora de Comunicação e Operações nas Agências NC - Núcleo de Comunicação e F.O.T.Y, atendendo diversos clientes governamentais e privados. Actualmente trabalha como editora do portal Correio da Kianda.

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Leandro

    29/03/2023 at 7:34 am

    ja andaram fazer projecto do BRT ha anos atras com brasileiros aldraboes e saiu nada. Todos mamaram dinheiro e nao arrancou nada. Pode ser que com alemaes e sua disciplina as coisas avancem mesmo. Mas uma vez acabado tem que haver policia tomar conta dia e noite, senao vao rebentar tudo depressa.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *