Connect with us

Eleições 2022

Líder religioso apela comportamento cívico e harmonioso no processo de votação

Published

on

No dia em que os cidadãos eleitores são chamados as urnas, o Correio da Kianda, ouviu o Pastor e activista social, Manuel Pembele, sobre a postura da população antes, durante e depois de exercerem o seu direito de voto.

O líder cristão diz que é necessário que os cidadãos partam para as urnas com uma consciência de que “estamos a escolher, a legitimar estamos a ir abusca da felicidade para os próximos cinco anos”.

Nesta conformidade o pastor Manuel Pembele realça que os eleitores devem se comportar como um cidadão cívico, ético e um cidadão responsável para que todos venham contribuir para um futuro harmonioso.

O sacerdote chama atenção a juventude, em particular aquele que irão exercer o direito ao voto pela primeira vez, a seguirem exemplo dos mais velhos por entenderem a história do voto, seus benefícios e as suas consequências.

Manuel Pembele sublhina ainda que é preciso neste dia, “evitar ambiente ilusionistas, evitar propagandas ilusionistas, evitar incitar violência através de palavras, gestos e acções, para que as pessoas tenham uma consciência pura e limpa neste dia, para que todos angolanos contribuam pela paz, tranqüilidade e um futuro harmonioso”.

Sendo Angola, com quase 90% da população é cristã, o líder religioso, enfatiza dizendo que enquanto aceitadores e conhecedores da palavra e para os que aceitaram Jesus Cristo como salvador, vão para as assembleias de voto e junto das urnas, peçam a presença do Espírito Santos, no sentido que possam ter o espírito de discernimento.

Manuel Pembela destaca que “todos somos chamados a ter um comportamento harmonioso, como um cidadão nacional possuidor de direito e deveres, onde um exerce e outro respeita estes exercícios”.

“respeitemos uns aos outros, e reconhecermos que se nós queremos uma sociedade harmoniosa, o primeiro valor deve ser atribuída a pessoa humana, e reconhecer de igual modo, que somos iguais perante a lei e que temos a liberdade e dignidade”, rematou.