Connect with us

Economia

Kinguilas voltam a vender dólares nas ruas de Luanda aos olhos da Polícia

Published

on

O negócio de moeda estrangeiras no mercado paralelo está de volta, e com ela, mais kinguilas voltaram às ruas da capital,  segundo constatou uma equipa de reportagem do Correio da Kianda.

O combate a venda ilegal de dólares e Euro, nas ruas de Luanda, parece não ter surtido efeito. Os chamados kinguilas, voltaram a acção, e é na baixa de Luanda, onde mais se encontram concentrados, a realizarem as suas actividades, bem aos olhos das autoridades.

Percorremos as zonas do Zé-Pirão, Mutamba, congoleses e Martires do kinfangondo, e foi neste último, que pela nossa surpresa, a venda de divisa está a ser feita na rua, e aos olhos da Polícia.

Na sua maioria estrangeiros, procuramos conversar com alguns deles, que apesar de não aceitarem gravar entrevistas , admitiram estarem a vender divisas de forma ilegal, por solicitação de alguns clientes, que por necessitarem enviar dinheiro para o exterior, por motivos de saúde ou para pagar estudos, recorrem ao mercado informal.

” Nós não estamos legal, mas todos os dias os clientes vêm nos procurar para comprar dólar, porque os bancos não aceitam vender, então por isso nós voltamos a vender, é também o nosso ganha pão. Argumentam.

A nota de 100 euros por exemplo, na baixa de Luanda está a ser vendido por 54 mil KZ, enquanto que no Martires, segundo constatamos está a ser vendido por 52 mil kwanzas.

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Antonio francisco

    31/07/2019 at 6:20 am

    De onde vêm as divisas q estes comercializam?
    Não estará alguém a ganhar fortunas com isso?
    Por que razão o governo não estabilize um valor fixo percapita por deslocação ao exterior e uma mensalidade á transferir em caso de se ter entes em permanência no exterior pelas mais variadas razões q nós conhecemos? Assim como atribuir plafons fixos aos importadores.
    Isso evitaria a especulação do preço das divisas e automaticamente este mercado ia ficando sem pernas pra andar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas