Connect with us

Destaque

Jovem espancado até à morte no cemitério de Viana

Published

on

O suposto assaltante e homicida terá chegado ao cemitério com a mota roubada ao falecido no princípio da semana.

“Quando viemos depositar os restos mortais do meu primo, que perdeu a vida num assalto na via pública em que lhe foi roubada a moto, vimos chegar o assaltante, montado na moto que lhe roubou”, conta Cristóvão Vicente.

“O pessoal que nos acompanhou ao cemitério, quando viu a moto do meu falecido primo, começou a agredir o homicida, que não teve escapatória porque era muita gente a agredi-lo e em cima dele”, acrescenta.

Cristóvão Vicente disse ainda que, durante a agressão, o jovem clamava por ajuda e refutava o crime: “Ele gritava que não roubou nem matou ninguém. Por causa daquele sentimento de perda de um ente querido ninguém deu ouvidos ao que o jovem dizia. Foram pedras, ferro, bloco e chaves de rodas para cima da vítima”, explicou.

“Tentei ligar para a polícia várias vezes, mas infelizmente ninguém atendeu. Também não demorou muito tempo para o jovem morrer por causa das agressões”, lamenta.

O inspector-chefe Mateus Rodrigues, porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional (PN), contactado pelo Novo Jornal Online, disse que este caso configura um crime particular e que só teria sustentação se o Comando Provincial de Luanda da Policia Nacional recebesse queixa específica. “Nós não tivemos conhecimento desta ocorrência”, declarou.

“Quando acontecem coisas deste género torna-se complicado, porque são muitas pessoas envolvidas e não temos como identificar o autor do crime”, acrescentou.

Este responsável do Comando Provincial garante que “a Polícia Nacional tem apelado à população para que não se faça justiça pelas próprias mãos, mas infelizmente muitos cidadãos insistem em continuar com esta prática. 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *