Connect with us

Bastidores

Jornalistas denunciam autoritarismo na Direcão da Rádio Despertar -“Está insuportável trabalhar com o actual Director” Desabafam

Published

on

Por conta dos constantes conflitos que consideram-nas insuportáveis,   funcionários  decidiram criar uma  comissão para interceder junto do Presidente da UNITA, a pedir, que este, Adalberto Costa Junior,  afaste de forma imediata,  o actual Director da Rádio Despertar, Horácio dos Reis, de quem acusam, de ser um mau gestor. 

Reiteram-se , as reclamações contra o actual corpo Directivo da Rádio Despertar. Desde os repórteres, a Jornalistas sêniores. Unânimes, pedem o afastamento do actual Director, que de acordo com as reclamações, acusam Horácio dos Reis,  de ser ” conflituoso com os seus subordinados, ” autoritário,  e de não pagar os subsídios dos  Jornalistas que  na campanha eleitoral trabalharam de forma árdua para o Partido liderado por Adalberto Costa Junior.

“Nos últimos dias,   o clima na rádio tornou-se insustentável” Descrevem,  fontes do Correio da Kianda, junto da Rádio que emite com a frequência  91.0. ” Estamos cansados, tanto dos autoritarismos, como da forma em que o actual director se arroga em ser chefe e fala com as pessoas como se de crianças fôssemos. Acrescentam.

Na última sexta-feira, 16,  segundo apurou o correio da kianda, em consequência da má relação entre o actual corpo directivo e funcionários, viveu-se um  cenário quase de  pugilato, entre o antigo Editor Chefe da Estacão, Queiroz Tchiluvia e Horácio dos Reis, actual Director.  De acordo as fontes deste Jornal, o cenário deveu-se porque Horácio dos Reis, há muito que lhe era solicitado um apoio financeiro enquanto Director, para custear uma situacão pontual em que Queiroz estava a passar.

” O Horácio se tornou numa pessoa insensível. Os próximos serão determinantes caso a Direcão do Partido não corrija o clima negro que se vive nestes dias na Despertar. Estamos mesmo cansados. Lamentam.

Entretanto, o Corrreio da Kianda, tentou contactar a Direcão da UNITA, via telefone,  mas não fomos atendidos. Assunto que este Jornal vai continuar a acompanhar milimetricamente.