Connect with us

Destaque

João Lourenço pode reduzir corrupção generalizada? Pergunta o The Washington Post

Published

on

Por: Steven Mufson

Depois de quase quatro décadas no poder, o presidente angolano, José Eduardo dos Santos, o segundo maior líder em África, anunciou que deixará o cargo este ano. Ele falou em deixar o passado, mas desta vez o doente dos Santos, que recebeu tratamento médico em Espanha, está seguindo.

O herdeiro é o ministro da Defesa do país, João Manuel Gonçalves Lourenço , de 62 anos , que vai concorrer em Agosto para a Presidência do País pelo partido no poder. A escolha surpreendeu muitos angolanos que pensavam que dos Santos tentaria entregar o poder a um dos seus filhos.

Lourenço esteve  em Washington, onde assinou na quarta-feira um memorando de entendimento com o Pentágono sobre futuras vendas de equipamento militar, cooperação de segurança e o que o secretário de Defesa Jim Mattis chamou de “uma parceria estratégica”. Mattis elogiou a assistência angolana na luta contra a pirataria no Golfo Da Guiné.

No dia seguinte, Lourenço chegou a tempo de conversar com o The Washington Post sobre os seus objectivos para Angola, onde a  economia foi abalada pelo colapso dos preços do petróleo no ano passado e o governo foi criticado pela corrupção e pela supressão dos adversários políticos. Ele prometeu combater a corrupção, aumentar a transparência e acolher o investimento estrangeiro. 

De fala suave, João Lourenço é visto como o candidato de continuidade. Ainda adolescente, ingressou no MPLA – Movimento Popular para a Libertação de Angola –  e lutou contra um movimento de libertação rival quando Portugal ainda era o poder colonial. Como outros, ele foi enviado pelo partido para estudar na União Soviética de 1978 a 1982, e teve uma longa carreira nas forças armadas e outros cargos públicos. Fala inglês, russo e português, e visitou Washington com frequência nos últimos anos, porque sua esposa,  Ana Afonso Dias Lourenço, ex-ministra angolana do planeamento, foi directora executiva do Banco Mundial para Angola, Nigéria e África do Sul.

Nos Estados Unidos, ele enfrenta o cepticismo. O relatório do Departamento de Estado sobre as práticas de direitos humanos diz que, embora a primeira eleição presidencial de pós-guerra em 2012 fosse “pacífica e geralmente credível, o partido no poder gozava de vantagens devido ao controle estatal dos principais meios de comunicação e outros recursos. Os partidos da oposição contestaram aspectos do processo eleitoral e os resultados, mas aceitaram os seus assentos na Assembleia Nacional. 

Eis o que João Lourenço disse. Esta conversa foi editada por brevidade e clareza.

P: O que está no memorando de entendimento?

Lourenço: O Memorando de Entendimento tem a ver com as mudanças que estão ocorrendo em Angola, bem como com as mudanças nos Estados Unidos. As relações diplomáticas e a cooperação económica entre os Estados Unidos e Angola estão a decorrer há 24 anos. Em todos os outros campos, não houve tanto, mas alguns, progresso. Mas em termos de defesa, praticamente nada foi feito com a única excepção de treinar soldados aqui nos Estados Unidos. A formação incluiria a língua inglesa e um programa para combater o HIV / SIDA nas forças militares. Achamos que isso é apenas um pouco, e por isso escolhemos assinar este memorando de entendimento. Teremos cooperação em diferentes matérias, nomeadamente a luta contra o terrorismo e a luta contra a pirataria no Golfo da Guiné.

A cooperação no domínio da defesa deve ser apoiada pela confiança. Assim, com a assinatura do MOU, demos um sinal muito claro, como disse o general James Mattis. Estamos a tentar construir uma parceria estratégica entre os nossos dois países.

Os Estados Unidos são um país muito importante para nós no contexto internacional. Por outro lado, Angola é também importante para os Estados Unidos devido à sua localização no Golfo da Guiné e porque Angola tem muitos mais recursos naturais para exportar.

P: Angola ingressou na Organização dos Países Exportadores de Petróleo em 2007 e, em geral, respeitou as diretrizes do cartel para manter a produção ligeiramente abaixo da capacidade total para aumentar os preços. Você pode discutir sua participação no grupo?

Lourenço: Angola é membro da OPEP e, como tal, deve respeitar todas as decisões que este cartel internacional faz. Os preços do petróleo caíram devido ao aumento da oferta de petróleo no mercado internacional e também devido à menor demanda por parte do maior consumidor internacional que é os Estados Unidos, que aumentou sua própria produção interna.

Seria uma ilusão sonhar em mudar um preço sobre o qual nós realmente não temos qualquer controle.

Então eu acho que a solução correcta é pensar seriamente em diversificar nossa economia para que nosso país dependa da produção e exportação de commodities além do petróleo. Temos de investir muito na agricultura, na pecuária, na pesca e no turismo. E Angola é abundantemente rica em outros recursos minerais. Para isso, precisamos criar um ambiente empresarial propício para que possamos atrair investidores internacionais. Para que isso aconteça, temos de fazer o nosso dever de casa, fazer mudanças em nossas políticas no que diz respeito à concessão de vistos, e também para tornar nossa economia e nosso governo mais transparente sobre a forma como fazemos negócios. Temos também de lutar ferozmente contra a corrupção e adaptar o nosso sistema bancário aos padrões internacionais.

P: O que você espera nas eleições deste ano?

Lourenço: As nossas expectativas para as eleições de 23 de Agosto são boas. Estamos trabalhando para uma confortável vitória nessas eleições.

P: Como seu governo seria diferente do Presidente dos Santos?

Lourenço: Nós vamos fazer todos os esforços para ter uma administração transparente. Vamos combater a corrupção, e vamos sublinhar o facto de que queremos que os investidores privados sejam uma parte importante da nossa economia futura. O sector público limitar-se-á à reconstrução e infra-estruturas, e mesmo nessas áreas tentaremos estabelecer parcerias público-privadas. Em outras áreas, como aeroportos, haverá 100 por cento de investimento privado.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas