Connect with us

Politica

João Lourenço, Hichilema e Tchisekedi reunidos à porta fechada em Benguela

Published

on

Os presidentes da Zâmbia, Hakainde Hichilema, e da República Democrática do Congo, Félix Tchisekedi, chegaram esta manhã a cidade de Benguela, onde irão participar da cerimónia de assinatura do Contrato de Transferência da Concessão dos Serviços Ferroviários e da Logística de Suporte do Corredor do Lobito.

Hakainde Hichilema e Félix Tchisekedi encontram-se no Palácio do Governo, em uma reunião à porta fechada, com o Chefe de Estado, João Lourenço.

O Estado angolano investiu 3,2 mil milhões de dólares, dos quais cerca 1,9 mil milhões foram aplicados no incremento das infra-estruturas e expansão do Porto do Lobito, 1,2 mil milhões para a construção de terminais e o remanescente na construção de centros logísticos, para “criar mais capacidade” para o Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB).

O Consórcio do Corredor do Lobito, formado pelas empresas Vecturis, Trafigura e Mota-Engil, prevê transportar, nos primeiros cinco anos, três milhões de toneladas de carga diversa, aumentando para 10 milhões nos 10 anos seguintes da actividade.

A entidade tem disponíveis 500 milhões de dólares para investir em todo o activo concedido. Vai assumir a exploração e manutenção dos transportes ferroviários de mercadorias, bem como da conservação e preservação de todas as infra-estruturas existentes ao longo do Corredor.

O contrato de concessão do Corredor do Lobito está por um período de 30 anos e foi celebrado entre o Ministério dos Transportes e o Consórcio, em Novembro, tornando-se num marco relevante para o desenvolvimento e optimização do sector.

Com o instrumento de governação do Corredor está criado um quadro para os três países-membros da SADC desenvolverem, conjuntamente, leis, políticas, regulamentos e sistemas de corredores harmonizados, incluindo o desenvolvimento de infra-estruturas de forma coordenada e coerente, alinhada com o Tratado da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, protocolos e quadros de desenvolvimento tais como o Plano Indicativo de Desenvolvimento Estratégico Regional 2020-2030 das Infra-estruturas.

Com informações do JA

Colunistas