Connect with us

Politica

João Lourenço e presidente da UA abrem fórum para cultura de paz

Published

on

Arranca esta quarta-feira, 22, a Bienal de Luanda, que tem como objectivo promover a prevenção da violência e dos conflitos, através do intercâmbio cultural entre os países africanos e o diálogo intergeracional. A terceira edição tem como lema: “Educação, Cultura de Paz e Cidadania Africana como Ferramentas para o Desenvolvimento Sustentável do Continente”.

A abertura do Fórum Pan-africano para a Cultura de Paz e Não Violência será feita pelo Presidente da República, João Lourenço, e pelo presidente em exercício da União Africana, Azali Assoumanin. O momento será, igualmente, testemunhado pelo antigo presidente de Moçambique e actual conselheiro da União Africana, Joaquim Chissano.

O Fórum é resultado da parceria entre a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO), Governo angolano e União Africana. Estarão também neste evento responsáveis governamentais e da sociedade civil, comunidade artística e científica, assim como organismos internacionais.

O Correio da Kianda sabe de fonte fidedigna que estarão também na cerimónia, ex-chefes de Estado da Nigéria, África do Sul, Quénia e Malawi e o Director-Geral adjunto da UNESCO, Xing Qu.

A terceira edição do Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz e Não Violência – Bienal de Luanda vai decorrer de 22 a 24 de Novembro deste ano, e contribuirá para a implementação, dentre outros objectivos, da estratégia operacional da UNESCO e dos seus programas que definem as prioridades para África (2022-2029), nomeadamente, a promoção do património cultural e o reforço do ensino superior e das capacidades do continente, defendeu, o Embaixador de Angola na Etiópia e Representante Permanente junto da União Africana (UA) e da UNECA.

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.