Connect with us

Politica

JMPLA reconhece contributo do kuduro na sociedade angolana

Published

on

O primeiro secretário nacional da Juventude do MPLA, Crispiniano dos Santos, reconheceu, nesta quarta-feira, 11, que o estilo musical kuduro, já retirou do mundo da delinquência, muitos jovens angolanos que hoje contribuem fortemente para o enriquecimento da cultura nacional.

“O kuduro tem um impacto socioeconómico na vida da juventude, além de promover o empreendedorismo cultural, abre oportunidades para o autoemprego, através da criação de estúdios, produção gráfica, vídeo clipes, escolas de dança, shows, concertos e vendas de discos”, reconheceu.

Crispiniano dos Santos disse, por outro lado, ser necessário admitir os efeitos do kuduro na sociedade angolana. “Muitos jovens mudaram a sua vida e a vida das suas famílias, compraram casas para as suas mães e até carros próprios, sem precisar de créditos bancários”, referiu.

O número 1 da juventude do MPLA no país orientou, no encontro, o DAF do secretariado nacional, para no prazo de 30 dias apresentar um projecto que visa apoiar as produtoras para estas abaixarem o custo de produção de música e permitirem que os fazedores de música possam tirar melhores benefícios da actividade.

“Sabemos e reconhecemos que a classe kudurista tem neste estilo musical a fonte de rendimentos, principalmente na cidade de Luanda, que com as restrições estão a enfrentar grandes desafios, testando a sua capacidade inteligente e inovadora, de se reinventar em tempos de crise e de não desistir diante das dificuldades, porque o kuduro sempre demonstrou ser um género de resiliência e reinvenção”, disse.

Por esta, continuou, “a JMPLA tem trabalhado com os departamentos ministeriais, os bancos comerciais e empresas, para alavancar o fomento do empreendedorismo cultural, através da criação de programas específicos de financiamento aos jovens como um dos sectores fundamentais para o aumento da produção nacional”.

O líder da “Jota” disse, igualmente, que a cultura produzida em Angola pode ser exportada e constituir um elemento de atracção turística, “pelo que o kuduro não fica distante das outras artes feitas em Angola”, por isso, “a JMPLA entende que este género deve ser apoiado, sobretudo aqueles que têm projectos viáveis como gravação de CD´s, montagem de estúdios, videoclipes e etc”.

Crispiniano dos Santos apelou, no entanto, aos fazedores do estilo a produzirem composições que contribuam para uma sociedade mais moralizada, assente nos valores culturais e patrióticos, pelo facto de o estilo ser um elemento de socialização, evitando a associação da arte com a marginalização.

Aquele líder juvenil considerou os kuduristas como sendo elementos fundamentais na promoção da educação cívica e do patriotismo dos jovens angolanos e agentes estratégicos da moralização da sociedade, da promoção da esperança, da preservação da independência, da paz e da unidade nacional, tendo agradecido ao Sebem e ao Tony Amado pela dedicação à criação.

“Hoje, é um dia muito especial para os angolanos. Hoje é o dia da nossa independência nacional e, para saudar a data, unimos o útil ao agradável. A criatividade com a moralização e o patriotismo”, finalizou.

Colunistas