Connect with us

Politica

Isaías Samakuva alerta perigo sobre tentativa de terceiro mandato

Published

on

O antigo Presidente da UNITA disse nesta segunda-feira, 08, à Rádio Correio da Kianda, que aconselhou o Presidente João Lourenço a ouvir os extratos sociais mais vulneráveis e implementar as suas aspirações. Isaías Samakuva disse também, que na ocasião, advertiu o Titular do Poder Executivo que o terceiro mandato lhe iria complicar a vida.

“Disse-lhe que o terceiro mandato não iria resolver nada. Ia lhe complicar a vida. No meu ponto de vista, achava que em vez de falar do terceiro mandato, arranjar um processo que lhe permitiria continuar no poder, devia procurar soluções para os problemas que estão a decorrer, pois vejo que os projectos em andamento não estão a ter impacto na vida do cidadão comum”, mencionou.

O também antigo membro do Conselho da República disse ao Presidente da República que o combate à corrupção tinha regredido, mas, João Lourenço, teria apresentado a dinámica que os órgãos de justiça estavam empenhados, e a existência de algumas dificuldades.

“O Presidente disse-me que continuava e falou sobre vários problemas que existem na busca de melhores soluções para este combate”, disse.

O Coordenador da Fundação Jonas Savimbi garantiu que tem os projectos bem definidos, depois da apresentação vai entrar em acção, procurar pôr em prática os ensinamentos de Jonas Savimbi no que diz respeito a necessidade de ajudar o cidadão, de promover o bem-estar, a tranquilidade e a harmonia na sociedade.

“Até meados de Agosto teremos o corpo directivo, vamos nos instalar como deve ser e faremos o lançamento público da Fundação e passaremos a acção com projectos, alguns elaborados outros por elaborar. Também não queremos dispersar, queremos cooperação dos interessados que se revejam nos ideais, queremos colocar em prática os ensinamentos do Dr. Jonas Savimbi”, expôs, em entrevista concedida ao programa Ponto e Vírgula da Rádio Correio da Kianda.

Perguntado se pretende trabalhar com a UNITA, Samakuva vincou: “Não queremos misturas. Política faz-se no partido e social faz-se na Fundação”, finalizou.

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.