Connect with us

Mundo

Investidores “não podem ignorar África”, diz presidente do BAD

Published

on

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Akinwumi Adesina, salientou as “incríveis oportunidades de negócio” no continente fruto da recuperação económica marcada pelo ambiente e alertou os investidores que “não podem ignorar África”.

“O futuro parece melhor, ainda que desafiante, vamos crescer 3,4% este ano, depois de uma quebra de 2,1% no ano passado, a maior dos últimos 50 anos devido à pandemia, e a recuperação será feita em todo o lado e oferece incríveis oportunidades de negócios”, disse o banqueiro, durante a sua intervenção no Fórum de Investimento Verde UE-África, sob o tema “O futuro verde de África, novas vias de investimento para um desenvolvimento inclusivo sustentável”, organizado pela Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia e pelo Banco Europeu de Investimento.

“A recuperação tem de ser verde e tem de construir resiliência ao clima, tem de aumentar os investimentos verdes, tem de garantir mais espaço para o sector privado para reduzir a dívida dos governos, tem de fomentar um crescimento inclusivo, com mais oportunidades para jovens e mulheres, e tem de aproveitar as novas oportunidades de negócios, especialmente na economia digital”, defendeu Adesina.

Destacando o papel do setor privado na recuperação económico e complementando o investimento público, o presidente do BAD vincou que “as pequenas e médias empresas terão um papel crucial” no relançamento das economias africanas, afectadas pela pandemia e pela crise da dívida que dificulta o financiamento do desenvolvimento económico.

“As necessidades massivas de infraestruturas são uma enorme oportunidade para investimentos verdes, entre 130 e 170 mil milhões de dólares [107 e 141 mil milhões de euros] por ano, mas temos de mudar a mentalidade e deixar de apostar na infraestrutura mais barata, passando a defender a que muda a economia; não interessa construir rapidamente uma estrada, interessa sim saber quanto tempo vai durar essa estrada”, exemplificou o líder do BAD, o maior banco multilateral africano.

Passando em revista os principais investimentos e a criação de diversos instrumentos de financiamento para vários sectores, como a transição energética e as energias renováveis, Adesina salientou a emissão de títulos de dívida ‘verde’, os ‘green bonds’, apontando que “a emissão de 2,5 mil milhões de dólares [2 mil milhões de euros] já permitiu apoiar vários projectos, um deles em Cabo Verde”.

“África já é verde, só precisa de ser mais verde, precisamos de mais euros para apoiar o crescimento verde no continente e não pensem que não podem fazer negócio em África, pensem antes no que estarão a perder se não o fizerem”, concluiu.

O fórum encerra um mês de diálogo entre europeus e africanos sobre desenvolvimento sustentável e investimento verde promovido pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE) com a realização de 23 conferências virtuais, designadas “Green Talks”, que arrancaram em 24 de Março a partir de Dacar, capital do Senegal.

Portugal detém a presidência da União Europeia no primeiro semestre de 2021, tendo elegido a relação com África como uma das prioridades.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (6)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (88)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2021 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD