Conecte-se agora

Mundo

Iniciada contagem de votos das eleições da RDCongo

As autoridades da República Democrática do Congo iniciaram hoje a contagem dos votos das eleições num clima conturbado que registou pelo menos dois mortos e atrasos devido à falta de materiais em várias assembleias de voto do país.

Avatar

Publicados

on

iniciada contagem de votos das eleições da rdcongo - contagem de votos RDC - Iniciada contagem de votos das eleições da RDCongo

De acordo com a agência Associated Press, também milhares de pessoas acorreram a Beni para votar, depois da comissão eleitoral ter decidido impedir o voto naquela localidade e em Butembo, afetadas por um surto de ébola, adiando ali a votação para março.

A Igreja Católica, que está em missão de observação do processo eleitoral, disse que recebeu 544 queixas de mau funcionamento das máquinas de voto.

O secretário geral da Conferência Episcopal Nacional do Congo (CENCO), o padre N’Shole, citado pela rádio Okapi disse ter recebido também “115 relatos de recusa ou a exclusão de observadores nas mesas de voto” e 44 denúncias de corrupção dos votos.

Em Kinshasa foram registadas muitas queixas de pessoas que não encontraram os seus nomes nas mesas de voto, segundo o chefe da comissão eleitoral, Corneille Nangaa.

Pelo menos duas pessoas foram mortas e mais duas foram feridas em confrontos, segundo autoridades locais.

Mais de 39 milhões de congoleses foram chamados às urnas para escolher o sucessor do presidente Joseph Kabila, e os deputados nacionais e provinciais de 75.781 colégios eleitorais.

Algumas urnas vão continuar abertas durante a noite para compensar os atrasos verificados em várias localidades, devido à falta de material para votar, problemas técnicos ou falta de energia.

A população escolherá o sucessor do presidente Joseph Kabila, que esteve 17 anos no poder, numa eleição adiada desde 2016, com críticas da oposição.

Os resultados oficiais deverão ser conhecidos a 15 de janeiro, mas esperam-se dados preliminares antes dessa data.

Entre os 21 candidatos ao poder, os principais líderes da oposição, Martin Fayulu e Felix Tshisekedi desafiam o sucessor escolhido por Kabila, o ex-ministro do interior Emmanuel Ramazani Shadary, sancionado pela União Europeia por ter reprimido manifestantes que se opuseram ao adiamento das eleições.

O país é rico em minerais, incluindo os que são cruciais para a produção mundial de smartphones e carros elétricos, mas, no entanto, o Congo continua subdesenvolvido e com níveis muito elevados de corrupção e de insegurança.

Por seu turno, o Papa Francisco exprimiu hoje o desejo que o processo eleitoral se desenrole “num clima pacífico”, e pediu para que os fiéis rezem pelos que sofrem naquele país africano “com a violência e o ébola”.

“Espero que todos se comprometam a manter um clima pacífico que permita um desenrolar pacifico das eleições”, disse o papa durante a oração do Angelus dominical.

A República Democrática do Congo realizou eleições presidenciais, legislativas e provinciais com dois anos de atraso, pois deveriam ter sido realizadas em dezembro de 2016.

O último incidente deu-se em meados de dezembro, quando um incêndio em Kinshasa calcinou milhares de máquinas de votação e material eleitoral.

A campanha eleitoral ficou marcada por incidentes violentos e pela repressão por parte do exército.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (240)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (13)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (15)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (60)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação