" />
Conecte-se agora

Economia

Inacom negoceia preços com as operadoras de televisão por assinatura

O Instituto Angolano das Comunicações (Inacom) está a negociar com as operadoras de televisão por assinatura preços de equilíbrio que estejam à altura do bolso dos consumidores e garantam também a sustentabilidade das próprias empresas, informou quinta-feira o seu presidente, Leonel Augusto.

Angop

Publicados

on

inacom negoceia preços com as operadoras de televisão por assinatura - Design sem nome 11 - Inacom negoceia preços com as operadoras de televisão por assinatura

Ao falar à Televisão Pública de Angola (TPA), a propósito do anúncio unilateral da ZAP, segundo o qual vai alterar os preços dos seus serviços a partir do dia 26 deste mês, o presidente do Inacom esclareceu que toda e qualquer alteração do tarifário de preços das comunicações deva obedecer o estritamente previsto na lei das comunicações electrónicas.

Na última segunda-feira, a ZAP anunciou, de forma unilateral, que fará a alteração dos preços dos pacotes Mini, Max, Plus e Premium, a 26 de Fevereiro, decisão já repudiada pelo Inacom, por, alegagadamente, “não ser da sua competência a fixação de preços deste tipo de serviços”.

A ZAP esclareceu, através de um comunicado de imprensa, que, face às mudanças registadas na economia nacional, como a desvalorização do kwanza, poderia alterar os preços dos seus serviços.

Segundo a empresa, essa situação cria grandes dificuldades no pagamento aos seus fornecedores internacionais.

Deste modo, o pacote Mini para 30 dias, que custava dois mil e 200 kwanzas, passará a três mil e 100 kwanzas, enquanto o Max, que custa Akz 4.400, passará a Akz 6.200. O pacote Premium, que até ao momento custa Akz 8.800, passará a 12 mil e 400 kwanzas.

Na entrevista à TPA, o presidente do Inacom acrescentou que as alterações do preço devem obedecer também o regulamento de preços dos serviços das comunicações electrónicas e o regulamento geral das comunicações electrónicas.

Leonel Augusto referiu que o Inacom, enquanto órgão regulador dos serviços de telecomunicações, não está alheio ao contexto macroeconómico e a pressão que exerce sobre as próprias empresas, daí estarem a dialogar com a ZAP, MultiChoice e TV Cabo, para encontrar preços que satisfaçam os clientes e garanta a continuidade das actividades das operadoras.

“Temos estados a trabalhar para encontrar equilíbrio por aquilo que os consumidores podem absorver. Aqui estamos a falar de mais de um milhão e 500 mil de clientes consumidores dos serviços de televisão por assinatura e também encontramos o equilíbrio tendo em conta a sustentabilidade das próprias empresas”, disse.

O Inacom, disse, tem estado a defender que alteração e reajustes dos preços sejam graduais, para permitir que os cidadãos possam absorver o impacto nas suas próprias contas diárias.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (191)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (5)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (10)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (44)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD