Connect with us

Economia

Importação de produtos da cesta básica com aumento de USD 16 milhões

Published

on

Angola registou um aumento de 16 milhões de dólares na importação de produtos da cesta básica e outros bens essenciais, pagando um total de mais de 86 milhões no mês de Fevereiro de 2021, comparado a igual período de 2020.

Esta informação consta de uma nota de imprensa, do Ministério da Industria e Comércio, a que a Angop teve acesso hoje, sobre os dados de licenciamentos à importação e exportação de produtos da Cesta Básica e outros bens essenciais.

O referido documento dá conta que, no mês de Fevereiro de 2021 esse “exercício económico” cifrou-se em USD 3.506.114,94, apresentando uma variação positiva de 436% em comparação ao mês homólogo de 2020.

De acordo com Directora Nacional do Comércio Externo (DNCE), Augusta Fortes, citada na nota, o açúcar a granel e o arroz corrente lideraram as intenções de importação, por se tratar de produtos ainda com uma resposta interna algo tímida.

Esses produtos, refere o documento, para além da Cesta Básica (alimentação humana), são igualmente usados como matéria-prima na indústria de bebidas e outras.

Entretanto, alguns produtos registaram redução bastante acentuada na sua importação, fruto da capacidade de produção interna que já dá resposta à demanda, como são os casos do Alho, Massa Alimentar, Farinha de Milho, Farinha de trigo, Pensos Higiénicos, Fraldas Descartáveis, Guardanapos e Vidro temperado em Folha.

Quanto às exportações, Portugal, na Europa, e RDC, em África, continuam a ser os destinos preferenciais dos produtos angolanos, nas exportações não petrolíferas.

Os dados foram apresentados, terça-feira, 16, na reunião do Conselho de Direcção do Ministério da Indústria e Comércio.

Por Angop