Connect with us

Economia

“Implementar agências bancárias em todos os pontos do país pode não ter viabilidade económica” – BNA

Published

on

O vice-governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Pedro Castro e Silva, disse nesta quinta-feira, 20, em Luanda, que a instalação de balcões de agências bancárias em todas as localidades pode não ter viabilidade económica.

O governante, que falava aos jornalistas no final do fórum da Deloitte, que analisou o sector bancário no país, respondia a questão sobre o recente anúncio de novos despedimentos a serem feitos pelo Banco Internacional de Crédito (BIC), anunciado esta semana.

No entender de Pedro Castro e Silva, os despedimentos daquela instituição bancária justificam-se, pelo facto de haver ainda desafios ligados às infraestruturas, em determinados municípios do país.

Como alternativa à inclusão financeira, o vice governador do Banco Central apontou os agentes bancários, como ideais para dar respostas à necessidades de as pessoas continuarem a transacionar em circuito formal, a moeda nacional.

“Temos estado a fazer contactos com alguns ministérios para ver como podemos suprir essas dificuldades. Nós conseguimos ver na apresentação que foi feita, e é tal e qual o caso do banco [BIC] que nós temos uma redução no número de agências bancárias. Percebemos que implementar agências bancárias em determinados pontos do país pode não ter viabilidade económica e financeira”, disse, acrescentando que o mercado financeiro já tem vindo a constatar o aumento de agentes bancários, razão pela qual espera que as instituições financeiras consigam cobrir o território nacional.

“Há um outro aspecto também importante, agora com relação à expansão dos serviços, que é uma boa parte do acesso aos serviços financeiros não está a ser feita por via de contas bancárias, mas por via de contas de pagamento que são abertas nessas instituições que nós chamamos de pagamentos móveis”, acrescentou o governante.