Connect with us

Sociedade

Lubango: IGAE flagra directora de escola a receber comprovativo de pagamento de aluno

Published

on

A directora da escola do 1⁰ ciclo nº1772, ” Nossa Senhora de Fátima”, no Lubango, foi flagrada pela Inspecção Geral da Administração do Estado (IGAE), a receber de um aluno, um comprovativo de nove mil kwanzas, supostamente para matrícula.

Segundo uma denúncia chegada à IGAE, por um cidadão que preferiu o anonimato, a escola mantinha contas bancárias abertas em nome de quatro funcionários, aonde eram depositados nove mil kwanzas por aluno, valores não previstos por Decretos Executivos.

Trata-se dos Decretos 21/18 de 18 de Dezembro, que aprova as normas de organização e funcionamento dos órgãos da Administração Local do Estado, conjugado com o 40/21 de 24 de Fevereiro, que aprova as taxas e emolumentos a cobrar pelos serviços prestados pelas instituições públicas do ensino secundário.

De acordo com uma nota da IGAE, escreveu a Agência Angola Press, nesta segunda-feira, uma comissão integrada por inspectores da IGAE, da Polícia Nacional e do SIC, deslocou-se à escola e flagrou a directora da  instituição, de 52 anos de idade, a receber, de um dos denunciantes, o comprovativo do depósito de nove mil kwanzas.

A directora da instituição citou três colegas que facilitaram a abertura da conta domiciliada no Banco BIC e que de forma regular efectuavam a movimentação dos valores existentes na mesma.

Nesta senda, foram detidos na quinta-feira última, a directora, o director administrativo e um professor, pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC), acusados de corrupção e recebimento indevido de valores, faltando uma outra funcionária que não estava presente na escola.

A equipa em serviço verificou ainda a existência de 178 talões de depósitos efectuados de forma indevida naquela conta, totalizando um milhão 602 mil kwanzas, recebidos de forma indevida, supostamente destinados para a matrícula dos próprios alunos.

Por sua vez, o inspector provincial da Educação, Paulo Nóbrega, esclareceu que desconhecia a prática e esclareceu que vai ser instaurado um processo disciplinar contra os referidos funcionários e todos que se colocarem na condição de infractores.