Connect with us

Sociedade

Huíla: Adolescente tenta comer vivo irmão de dois meses

Published

on

Um adolescente de 17 anos afrediu, à dentadas, o seu próprio irmão de apenas dois meses, por suposta orientação de uma kimbanda com quem se cositara antes. A criança ficou sem a boca, parte superior esquerda do nariz e com os testículos expostos, em consequência das mordeduras, um crime ocorrido no município da Matala, província da Huíla.

De acordo com a Agência Angola Press, a vítima, que deu entrada nas urgências do Hospital Central do Lubango, teve lesões maxilo-faciais graves e carece de cirurgia plástica reconstrutiva.

O caso deu-se quarta-feira, 18, na povoação de Candjanguiti, por volta das 23h00, quando o agressor regressou a casa, depois de ter, alegadamente, consultado uma quimbandeira, que o terá orientado a comer vivo o próprio irmão, por suposta crença em feitiço.

A médica-cirurgiã Luciana Lucumbida, de especialidade maxilo-facial, que assiste o menor, revelou a Angop que o paciente foi transferido da Matala com historial de mordedura humana, a qual resultou na perda considerável de estrutura musculares da face.

Confirmou que o menor ficou sem a boca, parte superior esquerda do nariz, perdeu estruturas importantes na movimentação da cavidade oral, como os músculos articulares da boca, carecendo de um tratamento específico (cirurgia reconstrutiva plástica), que o hospital não tem condições de realizar.

A especialista precisou que até ao momento foram feitos exames e uma transfusão sanguínea, pois apresentava a hemoglobina baixa e está a ser alimentado por uma seringa.

Por sua vez, o urologista Domingos Sapato fez saber que, do ponto de vista urológico, a criança chegou com os testículos expostos e as bolsas completamente abertas, mas foi reposta a normalidade após uma cirurgia.

A mãe da vítima e de outros quatros filhos, Filomena Quinta, de 32 anos, disse que o seu enteado bateu a porta do quarto, sob pretexto de que precisava de um analgésico para dor de cabeça, mas ao entrar a agrediu com um barrote e logo a seguir atacou o bebé.

“Ele parecia uma onça, estava transformado, o pai estava ausente e foi muito difícil retirar a criança dos braços dele, enquanto tentava comê-la viva”, detalhou, acrescentando que está a viver com o agressor há seis meses e nunca apresentou comportamento estranho.

Segundo o porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional, inspector-chefe Fernando Tongo, o agressor está detido e nesta quinta-feira foi apresentado a um procurador, que legalizou a prisão preventiva.

Esse é o primeiro caso do género de que se tem memória na Huíla.

No ano passado, registou-se um semelhante em Luanda, em que um militar das Forças Armadas Angolanas (FAA) matou e comeu parte do corpo do próprio filho, para ser promovido.

C/Angop

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Colunistas

© 2017 - 2022 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD