Connect with us

Bastidores

Higino Carneiro e Manuel Rabelais os próximos arguidos?

Published

on

A Procuradoria-Geral da República de Angola, pode constituir arguidos duas figuras de alta consideração da governação de José Eduardo dos Santos nos seus longos 38 anos afrente do País.

Segundo uma fonte da PGR, o General Higino Carneiro e o antigo Secretário do Presidente da República para a comunicação social constam de uma lista que aquela instancia de justiça está a investigar cujo dados indicam para o cometimento de crimes que sustentam a constituição de arguidos.

A fonte indica que Higino Carneiro, actualmente, um dos vice-presidentes da Assembleia Nacional, cargo que ocupa no parlamento angolano depois de deixar o Governo de Luanda está a ser investigado sob suspeita de ter participado no desvio dos cerca de sete mil milhões de kuanzas que sumiram dos cofres do Governo Província de Luanda na altura em que o general liderava o Governo da Província de Luanda.

Recorde-se que este processo já conta com um arguido, a cumprir, na cadeia uma medida cautelar, de prisão preventiva. Trata-se da jovem identificada apenas por Ilda Jamba, funcionária do GPL e Edson Vaz, na altura Director Nacional do Tesouro, que facilitou o rombo às contas do palácio da mutamba.

O Correio da Kianda sabe, de igual forma, que um outro dirigente de proa dos camaradas que vai ser constituído arguido, nos próximos dias, é o antigo Ministro da Comunicação Social de Eduardo dos Santos, Manuel Rebelais, suspeito de desvio de meios públicos.

Rebelais terá, segundo a fonte, desviado meios da Televisão Pública de Angola e da Rádio Nacional de Angola para proveito próprio. O material adquirido em nome da TPA foi desviado para constituir a Palanca TV de sua propriedade que emite na plataforma de televisão por serviço, DSTV. Já o material da RNA serviu para criar a Rádio Global FM uma emissora que emite do Benfica para Luanda e arredores.

Esta é, de resto, uma matéria que o Correio da Kianda vai continuar a acompanhar antes mesmo da formalização da acusação por parte da Procuradoria-Geral da República.