Connect with us

Mundo

Guerra na Ucrânia: “deve registar-se uma desescalada dos dois lados”, apela Ramaphosa

Published

on

O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, apelou este sábado à Ucrânia e à Rússia para uma “desescalada”, no decurso de uma visita a Kiev com uma delegação de dirigentes africanos, mas o presidente ucraniano rejeitou qualquer compromisso com Moscovo.

“Deve registar-se uma desescalada dos dois lados”, declarou Ramaphosa em conferência de imprensa conjunta com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

“Hoje enquanto estivemos aqui, ouvimos falar de ataques de mísseis e esse tipo de hostilidades não são positivos para favorecer a paz”, acrescentou Ramaphosa.

A chegada da delegação de dirigentes africanos a Kiev – que também incluiu uma deslocação a Bucha, arredores da capital – coincidiu com um ataque de mísseis russos, que segundo as autoridades ucranianas foram interceptados.

De seguida, a delegação – que inclui os presidentes Cyril Ramaphosa (África do Sul), Macky Sall (Senegal), Hakainde Hichilema (Zâmbia) e Azali Assoumani (Comores, que dirige actualmente a União Africana), além de representantes congoleses, ugandeses e egípcios – deverá deslocar-se à Rússia para um encontro este sábado com Vladimir Putin.

Na conferência de imprensa, Zelensky voltou a descartar qualquer negociação com a Rússia, que pretende “enganar o mundo”.

“Hoje deixei claro durante nosso encontro (com a delegação africana) que permitir qualquer negociação com a Rússia agora, quando o ocupante está na nossa terra, significa congelar a guerra, congelar a dor e o sofrimento”, disse o Presidente ucraniano.

A Rússia, acusou o Presidente ucraniano, “tentou durante muito tempo enganar a todos com os acordos de paz de Minsk”, concluídos no passado para tentar resolver o conflito com os separatistas apoiados por Moscovo no leste da Ucrânia, enquanto preparava a invasão da Ucrânia em Fevereiro de 2022.

“Está claro que a Rússia está novamente a tentar usar a sua velha táctica de engano. Mas a Rússia não conseguirá continuar a enganar o mundo. Não lhes vamos dar uma segunda possibilidade”, disse.

Em mensagem no Telegram após o encontro com os líderes africanos, Zelensky disse que “o que pode deter esta guerra” é “obviamente o fim do terror russo e a retirada” das forças de Moscovo.

O presidente ucraniano assinalou ainda que a delegação de líderes africanos abordou a forma de conseguir “uma paz verdadeira e justa, sem chantagem ou enganos russos”.

Zelensky também destacou que “todas as nações do mundo merecem viver livres, sem a imposição da vontade de outros por vias militares e políticas”, e que nenhum país está seguro enquanto a Rússia converter a agressão e anexação de territórios estrangeiros em “norma global”.

O conflito armado na Ucrânia, iniciado com a invasão russa em 24 de Fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada como a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Com agências 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *