Connect with us

Politica

Greve dos médicos: Governo propõe salário de 1,3 milhões de kwanzas, contra os dois milhões exigidos pelo sindicato

Published

on

A informação avançada a RNA, esta sexta-feira, 26, pelo secretário de Estado para a Gestão Hospitalar, Leonardo Inocêncio, realçando que do caderno reivindicativo do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (SINMEA), o governo destacou alguns aumentos salariais, para o médico chefe de serviço, o escalão máximo da categoria, com uma remuneração líquida até 1,3 milhões de kwanzas, contra os dois milhões de kwanzas exigidos pelos profissionais da saúde.

Leonardo Inocêncio avançou ainda que para o médico interno de especialidade o valor da contraproposta do Governo foi de 867 mil kwanzas, contra os 1,2 milhões de kwanzas exigidos no caderno reivindicativo.

“Estamos a falar de um valor que a classe reivindicava limites desde um milhão de kwanzas até dois milhões de kwanzas, mas não se chegou até lá, por razões já bem conhecidas, situações económicas e outras externalidades”, afirmou.

O Correio da Kianda soube que o Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (SINMEA) vai reunir hoje para analisar a contraproposta apresentada pelo Governo, para pôr fim à greve que decorre desde segunda-feira.

Segundo o secretário-geral do SINMEA, Pedro da Rosa, a direcção do sindicato vai analisar a contraproposta feita pelo Governo, que não responde ainda às exigências da classe médica, declaradas num caderno reivindicativo de 14 pontos, submetido em Setembro do ano passado ao Ministério da Saúde.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas