Connect with us

Sociedade

GPL encerra mais de 300 armazéns em Luanda

Published

on

Foram encerrados esta quarta-feira, 24, cerca de 300 armazéns na capital do país.

Segundo nota do Governo Provincial de Luanda, esses armazéns praticavam de forma irregular a actividade comercial e em locais impróprios, de acordo com a lei, que “proíbe a venda a grosso em zonas residenciais”.

“O encerramento ocorreu dentro das acções de reordenamento do comércio em Luanda, que tem também como objectivo organizar a actividade comercial na capital do país”, informa, o GPL, destacando que contou com o apoio dos Serviços de Migração e Estrangeiros e do MAPTESS, no processo.

De recordar, que na passada segunda-feira, 22, centenas de vendedoras ambulantes saíram às ruas em protesto contra as acções de sensibilização desenvolvidas pelo Governo Provincial de Luanda, no âmbito do reordenamento do comércio na capital angolana, dentre elas, o encerramento dos armazéns.

Zungueiras protestam contra acções de reordenamento do comércio em Luanda

 

Continue Reading
2 Comments

2 Comments

  1. Cardoso

    26/05/2023 at 6:17 am

    É uma medida bem pensada e que chega com um certo atras,tem que continuar para podermos organizar a capital do país e dar um outro ar

    • Otília

      26/05/2023 at 11:02 pm

      vocês têm ideia de quantas pessoas ou melhor famílias deixam de ter o seu pão? A vida está tão dificil a quanto tempo estes armazéns estão ai? Creio que seria melhor o GPL criar condições para que eles podessem legalizar se. Como fica se fecharem todoa armazéns de Luanda por as condições no golfe 2, Hoji a Henda, Estalagem e outros pontos de Luanda são as mesmas eram casas. Se nestes locais não onde existe estas infraestruturas para que os omerviantes possam adirir? Não criaram condições, não tem emprego para as pessoas como fica a nossa vida? Os pequenos comerciantes são parceiros do governo, sem o sector empresarial só o governo não consegue responder a demando. Por favor gestores públicos legisladores olhem pelo sofrimento do povo angolano.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *