Connect with us

Politica

Governo retira licenças de minas de diamantes a Isabel dos Santos

Published

on

O governo de Angola ofereceu a investidores licenças de exploração de diamantes que pertenciam a Isabel dos Santos, filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos, de acordo com uma gravação das reuniões a que a agência de notícias Reuters teve acesso.

Durante uma conferência na Cidade do Cabo, no mês passado, o presidente da mineradora estatal Endiama, José Manuel Ganga Júnior, disse que as licenças haviam expirado e estavam abertas a novos investidores.

As licenças eram para as reservas de Camafuca-Camazambo, Chiri, Sangamina, Mulepe, e Tchiegi, todas localizados no nordeste de Angola, nas regiões de Lunda Norte e Lunda Sul. As duas primeiras estavam anteriormente nas mãos de Isabel dos Santos.

Isabel é a mulher mais rica de Angola, com um império que vai de jóias a supermercados. Sua família tem sido poderosa no país por quatro décadas, mas perdeu força quando seu pai deixou a Presidência no ano passado, depois de 38 anos no poder. O sucessor, João Lourenço, prometeu atacar os monopólios e tornar o país mais atractivo a investidores. Em Novembro, Lourenço tirou Isabel dos Santos do cargo de presidente da Sonangol, petrolífera estatal e empresa mais importante do país.

Representantes da filha do ex-presidente não comentaram ainda o assunto. Um porta-voz da Endiama confirmou a veracidade da gravação.

É verdade que esses kimberlitos (formação de rochas vulcânicas onde diamantes são encontrados) já haviam sido licenciados no passado, muitos anos atrás. As licenças já venceram. Nós não temos nenhum compromisso com qualquer dono anterior — disse Ganga Júnior no vídeo.

Angola é um dos principais produtores de diamantes do mundo, apesar de boa parte do seu território ainda ser inexplorado, por causa dos 27 anos de guerra civil que se seguiram à independência do país, em 1975. Mesmo com o fim do conflito em 2002, o ambiente de negócios do país permaneceu fechado a investimentos externos.

João Lourenço chegou ao poder em 2017 com promessas de livrar o país do estigma de ser uma economia pouco transparente e exclusivamente voltada para o petróleo. Para isso, tem tentado atrair investimentos internacionais. Até o momento, a empresa russa Alrosa é a única grande mineradora actuando em Angola.

“Estamos prontos para começar do zero e negociar nas melhores condições. Para o bem da Endiama, do nosso país e dos accionistas potenciais. A Endiema deve ser parceira pela lei, mas estamos abertos” — concluiu Ganga Júnior.