Connect with us

África

Golpe militar no Gabão é oitavo na África Ocidental e Central desde 2020

Published

on

Um grupo de militares de alta patente do Gabão afirmou ter tomado o poder na madrugada desta quarta-feira, 30, minutos depois de o órgão eleitoral do Estado centro-africano ter anunciado que o Presidente Ali Bongo tinha ganho um terceiro mandato.

Os oficiais afirmaram ao canal de televisão Gabon 24 que representavam todas as forças de segurança e defesa do Gabão. Os resultados das eleições foram anulados, todas as fronteiras foram encerradas até nova ordem e as instituições do Estado foram dissolvidas.

Ouviram-se tiros na capital, Libreville, após a declaração que anunciava a destituição de Bongo, cuja família governa o país produtor de petróleo e manganês há mais de meio século, disse um repórter da Reuters.

Não houve comentários imediatos do governo do Gabão, que é membro do grupo produtor de petróleo OPEP, e não houve informações imediatas sobre o paradeiro de Bongo, que foi visto pela última vez em público a votar na votação de sábado.

A primeira-ministra francesa, Elisabeth Borne, disse que a França, antiga potência colonial do Gabão, estava a acompanhar de perto a situação.

Se for bem sucedido, o golpe será o oitavo na África Ocidental e Central desde 2020. O último, no Níger, ocorreu em Julho. Os militares também tomaram o poder no Mali, na Guiné, no Burkina Faso e no Chade.

O Níger e outros países do Sahel têm-se debatido com insurreições islamistas que minaram a confiança nos governos democráticos. O Gabão, que fica mais a Sul, na costa atlântica, não enfrenta os mesmos desafios, mas um golpe de Estado seria mais um sinal de recuo democrático numa região volátil.

Ouça mais sobre o assunto na Rádio Correio da Kianda ao longo do dia e no Capital Central, com especialistas, a partir das 07h, desta quinta-feira, 31, em 103.7 FM para Luanda ou aqui, no nosso portal.