Connect with us

Mundo

George Weah e Joseph Boakai defrontam segunda volta das eleições presidenciais da Libéria

A segunda volta das eleições presidenciais da Libéria realiza-se terça-feira, com o vice-Presidente cessante Joseph Boakai a defrontar o lendário jogador de futebol George Weah, procurando ambos suceder a Ellen Johnson Sirleaf.

Published

on

data da segunda volta esteve inicialmente marcada para 07 de novembro, mas questões relacionadas com vários recursos apresentados, em que se denunciaram ilegalidades eleitorais na primeira votação, realizada a 10 de outubro último, obrigaram o Supremo Tribunal a remarcar o dia.

Na primeira volta, o senador George Weah e Joseph Boakai não conseguiram obter mais de 50% dos votos,

Nos resultados apurados na primeira volta das eleições, que contaram com uma taxa de participação de 75%, o senador George Weah obteve 39% dos votos, à frente de Boakai, apoiado pelo Partido Unido (UP, no poder), com 29,1%, com os restantes 18 candidatos a dividirem o resto dos votos.

Ambos tentam suceder a Ellen Johnson Sirleaf, a primeira mulher eleita chefe de Estado em África e prémio Nobel da Paz em 2011, que está constitucionalmente impedida de se apresentar a um terceiro mandato.

Mais de dois milhões de eleitores estão inscritos para a votação.

A braços com uma crise económica e social significativamente agravada após a epidemia de ébola, em 2014, a Libéria tenta, aos poucos, recuperar da violenta e devastadora guerra civil que assolou o país entre 1999 e 2003, que provocou mais de 250 mil vítimas mortais.

A elevada participação cívica da população demonstra a expectativa reinante ante a votação, com analistas locais a considerarem Weah favorito, embora as sondagens sejam escassas e partidarizadas.

George Weah, eleito em 1995 melhor jogador de futebol do mundo, passou por vários clubes, tendo-se notabilizado no Mónaco, Paris Saint Germain, Milão, Chelsea, Manchester City e Marselha.

Durante a campanha, os dois candidatos coincidiram nos projetos futuros para o país, priorizando a manutenção da paz, redução da pobreza (50% da população vive abaixo desse limiar), eliminação da corrupção e revitalização da economia, que leva já três anos de recessão, provocada sobretudo pela epidemia de ébola, que matou quase 5.000 pessoas.

Após a guerra civil, a Libéria recuperou as exportações de cacau, café, ferro, ouro e diamantes, o que permitiu que o Produto Interno Bruto (PIB) passasse de um crescimento negativo de 31,3% em 2003 para um positivo de 8% em 2005.

O PIB manteve esta tendência até 2013, ano em que o Governo anunciou um crescimento de 7% para 2014, previsão que acabaria por falhar redondamente por causa do aparecimento da epidemia que, só na Libéria, contagiou 10.322 pessoas e matou 4.608.

O plano de contingência que então foi posto em marcha para travar a epidemia, que, entre outras medidas, levou ao encerramento das fronteiras, teve um reflexo significativamente negativo na economia, com a taxa de crescimento a limitar-se a 0,7%.

Em 2015, o crescimento do PIB foi nulo (0%) e em 2016 entrou perigosamente no vermelho (-1,6%), o que deixou o país, já em si um dos mais pobres do mundo, numa situação ainda mais delicada.

Os analistas negam que a taxa de crescimento negativa se deva unicamente à epidemia, sustentando que a influenciar está também o histórico défice de infraestruturas.

A história da Libéria, com fronteiras com Serra Leoa, Guiné-Conacri e Costa do Marfim, além de banhada pelo oceano Atlântico, é única entre as nações africanas, pois é um dos dois países da África Subsaariana, tal com o a Etiópia, sem raízes na colonização da África.

A Libéria, atualmente com cerca de quatro milhões de habitantes, foi fundada e colonizada por escravos americanos libertados com a ajuda entre 1821 e 1822, da organização privada American Colonization Society, na premissa de que os ex-escravos americanos teriam maior liberdade e igualdade nesta nova nação.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *