Connect with us

Sociedade

Funcionários do Tribunal Supremo declaram greve para exigir melhorias salariais

Published

on

Os funcionários judiciais do Tribunal Supremo declararam uma greve, prevista para o período de 21 do corrente mês de Março a 1 de Abril próximo, para exigir melhorias das condições salariais, cujas negociações decorrem, sem consenso, entre o sindicato e a entidade patronal.

´Sem os funcionários judiciais os juízes não trabalham, não se faz justiça na injustiça´ é o lema da greve anunciada nesta sexta-feira em Luanda, pelo Coordenador da Comissão Sindical, Domingos Fernando Feca, que revela que desde 2017 que lutam pela melhoria das condições dos seus salários.

O líder sindical faz saber que a pretensão é de equiparar os salários dos funcionários do Tribunal Supremo com os dos colegas dos outros tribunais superiores, como o Tribunal de Contas, o Tribunal Constitucional e o Supremo Tribunal Militar, onde a carga de trabalho é segundo Domingos Fernando Feca, diferente, pois os funcionários do Tribunal Supremo têm uma carga de trabalho mais “alta” e “exagerada”.

Desde 2017, as negociações não têm surtido os efeitos desejados, e a principal preocupação do sindicalista está relacionada com o facto de os funcionários daquele tribunal recorrerem dos próprios ordenados salariais para realizar tarefas relacionados com as suas actividades laborais diárias, incluindo os custos de deslocação e de “pequenas manutenções”.

Segundo Domingos Fernando Feca, o calendário de paralisação dos trabalhos, que deverá ocorrer nos horários e dias normais de expedientes, começa no dia 21 de Março corrente até ao dia 1 de Abril próximo para a primeira fase e, caso as negociações não surtam os efeitos desejados a greve terá uma segunda fase, de 18 a 29 de Abril, ao passo que a terceira fase será já no mês de Maio.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Colunistas

© 2017 - 2022 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD