Connect with us

Partidos Politicos

FNLA reúne para analisar decisão da tomada de posse na Assembleia Nacional

Published

on

Depois do Tribunal Constitucional ter confirmado a vitória do MPLA, saída das eleições gerais de 24 de Agosto, e decidido que os órgãos eleitos desse pleito tomem posse, para os próximos anos, o Correio da Kianda ouviu o porta-voz da FNLA, sobre a decisão de tomar ou não posse, na Assembleia Nacional, depois desta formação ter participado da última cúpula da oposição.

Ndonda Nginga disse que apesar dos resultados divulgados pela CNE não serem reais e por não dignificarem o país, o seu partido ainda não decidiu se vai tomar posse no parlamento.

“Por tanto nós ainda não decidimos se vamos tomar posse”, disse.

O responsável partidário adiantou que o órgão superior de decisão, o Comité Central da FNLA vai reunir-se nos próximos dias, para discutir o futuro dos dois mandatos conquistado nas eleições do dia 24 de Agosto deste ano.

Ndonga Nginga avançou que a reunião do Comité Central dos ‘irmãos’, nos próximos dias, vai servir também para analisar o futuro do partido.

“Os órgãos vão decidir nos próximos dias se vamos tomar posse ou não”, finalizou.

De recordar que as eleições gerais do dia 24 de Agosto de 2022, foram vencidas pelo o MPLA com maioria absoluta (51,17 por cento), o correspondente a três milhões 209 mil 429 votos, que resultaram na reeleição do seu candidato, João Lourenço, bem como a eleição da Vice-Presidente, Esperança Costa, e alcançou 124 assentos na Assembleia Nacional (AN), de acordo com os resultados definitivos da Comissão Nacional Eleitoral (CNE).

A UNITA, maior partido na oposicão obteve 43,95 por cento (dois milhões e 756 mil 786 votos), correspondentes a 90 deputados.

A seguir está o PRS, com 1,14% (71.351 votos), a FNLA, 1,06% (66.337 votos) e o PHA, 1,02% (63 mil 49 votos), que elegeram dois deputados cada.

Já a CASA-CE, com 0,76 por cento (47.446 votos), não conseguiu eleger nenhum deputado, tal como a APN, com 0,48 por cento (30,139 votos) e o P-NJANGO com 0,42 por cento (26.867 votos.