Connect with us

Partidos Politicos

“FNLA não vai se misturar com uma Frente Patriótica mercantilista”, afirma porta-voz do partido

Published

on

O partido Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) garante, atravês do seu porta-voz, que não se vai juntar à nenhum projecto de coligação de partidos políticos da oposição, por considerar serem “totalmente mercantilistas”, esses movimentos que surgem com objectivo de fazer frente o MPLA nas eleições de Agosto próximo.

De acordo com o porta-voz da FNLA, Ndonga Nzinga, que falava ao Correio da Kianda, o seu partido não vai se misturar com nenhuma “Frente Patriótica ou Amplo Movimento da oposição totalmente mercantilista”. O político reagia sobre acusação de acolação com o MPLA, por não alinhar-se nas duas Frentes criada pela oposição para concorrer nas próximas eleições gerais com objectivo de tirar o partido no poder.
“A FNLA é progenitor da criação dos movimentos nacionais, por isso, que não deve se misturar ou mergulhar no lamaçal destas Frentes criadas por alguns partidos”, afirma.
Ndonda Nzinga, disse ainda que a FNLA tem um projecto de sociedade virado ao amor ao próximo, por isso pede para que não misturam o seu partido naquilo que consideram “banalidade”.
“Temos um projecto de governo para sociedade, e não é para se atrelar com quem quer que seja, não nos misturem na banalidade de Frente patriótica Unida ou Amplo Movimento Angola Unida, por favor”, apelou o responsável partidário.
Segundo o porta-voz dos irmãos, a FNLA tem responsabilidade acrescida, maior do que, MPLA e a UNITA, pelo que fez desde a sua fundação e o seu empenho na luta de libertação Nacional.
Ndonda Nzinga mostrou-se irritado e considera contra-senso, uma Frente de Libertação Nacional a juntar-se a uma Frente Patriótica Unida, por entender que etimologicamente terem a mesma designação linguística, e não fazer sentido juntar-se a Frente criada pela UNITA e “seus pares”.
Quano as perspectivas políticas nas próximas eleições, o dirigente partidário disse que a FNLA deverá conhecer nova dinâmica e se a margem da fraude eleitoral não for comparada a das eleições passadas, o seu partido poderá ver a sua representação parlamentar aumentada em aproximadamente entre 50 à 80 deputados.
Por outro lado, fez saber que apesar desta meta, o objectivo será mesmo de alcance do poder político. Apesar de algum mau estar interno, a FNLA está enraizado em todo país e no estrangeiro.