Connect with us

Desporto

FAF impõe mão pesada ao Petro de Luanda e Kabuscorp

Published

on

O Petro de Luanda foi hoje, 01, suspenso por dois anos, o Kabuscorp do Palanca despromovido a segunda divisão, e o 1° de Agosto multado, segundo o comunicado tornado público esta sexta-feira.

Eis o teor do comunicado:

Informado o Clube APL sobre o despoletar do presente processo disciplinar, e convidado a pronunciar-se sobre o teor do áudio no que ao Clube diz respeito, o Clube afirmou não ter conhecimento oficial do áudio, áudio que por sinal impactou pelas piores razões o exercício da modalidade no país.

Assim, os deste Conselho de Disciplina deliberam nos termos previstos pelo artigo 19.º do Código de Ética da FIFA, subsidiariamente aplicável por força da alínea n) do art. 2.º do Estatuto da FAF em:

Suspender com efeitos imediatos o Clube Atlético Petróleos de Luanda de toda actividade futebolística, por um período de 2 (dois) anos, consequentemente, ficando impedido de competir em qualquer competição desportiva neste período, por não cumprimento do dever de colaboração a que está adstrito com esta Federação no âmbito do processo disciplinar instaurado.

Considerando que o Clube Desportivo 1.º de Agosto, não obstante notificado por este Conselho para pronunciar-se sobre o conteúdo do áudio objecto deste processo disciplinar o Clube nada disse, incorrendo na violação do dever de cooperar, os deste Conselho nos termos previstos pelo art. 87.0 RD/FAF deliberam em:

Punir o Clube Desportivo 1.° de Agosto por inobservância dos seus deveres para com esta Federação, com multa em valor correspondente a 2.000 UCF, valor a ser pago em prazo não superior a 20 dias nos termos legais previstos.

Considerando que o jornalista desportivo Adolfo Manuel afecto a Rádio Nacional de Angola enquanto interveniente no espectáculo desportivo, intermediou a pratica de um acto de corrupção envolvendo os Clubes KSCP e Académica Petróleos Clube do Lobito, remetam-se cópias dos presentes autos ao Conselho de Administração da Rádio Nacional de Angola, Comissão de Carteira e Ética e AIDA- Associação da Imprensa Desportiva de Angola para que, julgando conveniente, procedam a abertura do competente processo disciplinar, por conta do acto levado a cabo pelo jornalista, que mancha o exercício da actividade jornalística.

Formado em radiojornalismo, com passagem por órgãos de comunicação social públicos e privados. Possui formação internacional em Comunicação e Multimedia. Estudante do curso superior de Gestão/Comunicação e Marketing.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *