Connect with us

Economia

“Expo-indústria é propícia para profunda reflexão das potencialidades de Angola”

Published

on

O ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, afirmou esta quarta-feira, 29, que a abertura da expo-indústria é propícia para uma profunda reflexão sobre as potencialidades do nosso país, a necessidade de relançamento do parque industrial, bem como a criação de empregos e de empresas cada vez mais competitivas.

Victor Fernandes falava durante a abertura da 5.ª Edição da Expo-Indústria 2023, na Zona Económica Especial (ZEE), no município de Viana, em Luanda.

“Estamos a trabalhar para que a agroindústria permita a autossuficiência alimentar do nosso país, sendo essa uma das vias, mas não a única, de se promover o aumento da produção, tanto agrícola como industrial, o que possibilitará a redução da dependência das importações e a criação de mais empregos”, disse.

O governante referiu ainda que a Expo-Indústria está de volta a Angola, como uma excelente oportunidade para reflectir sobre as capacidades do país.

“Após três anos de ausência, Angola volta a receber a Expo-Indústria, que regressa na sua quinta edição. A sua abertura é propícia para uma profunda reflexão sobre as potencialidades do nosso país, a necessidade de relançamento do parque industrial, assentes nas políticas de desenvolvimento rumo à diversificação económica, assim como à criação de empregos e de empresas cada vez mais competitivas”, frisou.

Victor Fernandes deu a conhecer que a quinta edição da Expo-Indústria conta com 238 expositores nacionais e internacionais, que representam sete províncias. Os principais sectores da exposição congregam o agro-negócio com 8 por cento, artesanato 10, a banca e seguros 5, comércio e distribuição 12, construção civil 22, indústria mobiliária 5, têxtil 11, petróleo e gás 8, restauração 11, e outros serviços 15 por cento.

O ministro acrescentou que dos 22 pólos industriais projectados, sete já se encontram em funcionamento nas províncias de Luanda, Benguela, Cabinda, Huambo, Malanje, Bié, Uíge e Cuanza Norte, com uma área média reservada de mil a dois mil hectares em cada um deles.

Victor Fernandes referiu que dos dez parques industriais rurais previstos para construção, apenas três se encontram infra-estruturados e em funcionamento, designadamente o de Cacuso, em Malanje, o do Tomboco, no Zaire e o da Canjala, em Benguela.

Segundo o governante, a Expo-Indústria é um dos maiores eventos do género que se realiza em Angola, com reconhecimento internacional e já assegurou, definitivamente, a sua condição de montra industrial nacional.

“É uma verdadeira vitrine da robustez da transformação, enquanto produção nacional, do consistente comércio e do emergente sector industrial”, expressou.