Connect with us

Partidos Politicos

Ex- candidato da JURA acusa líder da UNITA de remeter família Savimbi ao esquecimento

Published

on

A actual direção do partido UNITA, liderada pelo Adalberto Costa Júnior é acusada por alguns militantes e conservadores do partido fundado por Jonas Savimbi, de estar constantemente a violar a linha ideológica pela qual foi criada a UNITA e de remeter ao esquecimento família Savimbi.

Rafael Mukanda, excandidato a liderança da Juventude Unida Revolucionária de Angola (JURA), braço juvenil do partido está entre os que reclamam e denunciam as alegadas violações pela actual direção UNITA contra os princípios da formação política.

 Segundo o político, a liderança do ‘galo negro’ “não é inclusiva é selectiva, excluindo quem não está com eles, alegando estar contra eles e a mais gravosa” são as violações contra os princípios de Mwngai e a exclusão de todos membros que têm uma ligação com ex-presidente Isaias Samakuva e o fundador Jonas Savimbi.

Para o ex-candidato a liderança da JURA, braço juvenil da UNITA e antigo director do Gabinete do secretário geral adjunto, as posições em que se encontram membros da família do presidente fundador da UNITA Jonas Savimbi, na lista de candidatura para deputado, “prova claramente que Adalberto Costa Júnior esteja a cumprir outra agenda, sacrificando os verdadeiros militantes”.

“ACJ está a satisfazer agenda pessoal e de alguns grupos, sacrificando os verdadeiros militantes da UNITA, que nunca haviam militado em outro partido que não seja este”, acusa Rafael Mukanda que acrescenta que o actual líder do ‘galo negro’ tem colocado em posições legíveis figuras próximas ou ex-militante da MPLA, exemplificando o empresário e mentor do projecto “Pensar Angola”, Francisco Viana, o politólogo Olívio Kilumbo e os activitas Irina Dinis, Hitler Samussuko, Pedro “Pedroski” Teca, Dito Dali, em detrimento de algumas pessoas ligadas a “família Savimbi” e a exclusão do histórico militante e antigo candidato à presidência da UNITA, José Pedro Kacthiungo.

Estes factos, para Rafael Mukanda constituem traição à “memória dos nossos heróis que ainda estão em vida e outros que ainda não fazem parte dos mundos dos vivos”.

De acordo com a lista de futuros deputados do partido UNITA para a legislatura 2022-2027, a que o Correio da Kianda teve acesso, o único membro da família Savimbi que se encontra em posição privilegiada é o nome do actual secretário Nacional das Relações Internacionais e Comunidade, Rafael Massanga Sakaita Savimbi, com número 24.

A seguir vem Araújo Kacike Pena número 75 na lista, Esteves Betela Pena (98), Ginga Sakaíta Savimbi (100) e Chilombo Sakaíta Savimbi (166), todos estes abaixo dos activistas que criticam a anterior gestão liderada por Isaias Samakuva, que por vontade própria negou entrar na lista para deputado.

Recordar que a 13 de Janeiro de 2021, Ginga Savimbi, a mais nova do clã do fundador da UNITA, chegou a anunciar, atravês da sua conta oficial na rede social Facebook, a sua desvinculação do partido fundado pelo seu Pai, Jonas Savimbi, depois de Adalberto Costa Júnior ter nomeado novos quadros do partido, logo a seguir a sua tomada de posse como presidente eleito do Congresso que havia sido anulado pelo Tribunal Constitucional, sem que o seu nome tivesse entre os nomeados. Ginga Svimbi foi um dos principais rostos da primeira campanha de ACJ, para a liderança do partido.

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. victor carlos

    21/06/2022 at 3:58 pm

    que vem vem a muito acompanhando os ideias de Jonas Savimbi não tem nada a ver com nepotismo amiguismo o favoritismo mas sim encontrar espaços para articulados e dar um engrenagem a angola e angolanos por via do partido sendo ele um visionário no Aldeberto junior em função das circumstantial esta a congregar valores para o efeitos alternâncias inclusão a competentes.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Colunistas

© 2017 - 2022 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD