Connect with us

Segurança

Eugénio Laborinho quer clareza nas regras que determinam mudança de posto na Polícia Nacional

Published

on

O ministro do Interior, Eugénio Laborinho, reafirmou a necessidade dos gestores dos efectivos da Polícia Nacional (PN) transmitirem com clareza as regras que determinam a mudança de posto, tendo em vista acautelar eventuais equívocos.

“Isto quer dizer que é preciso que os gestores dos efectivos transmitam que nem todos podem ter ao mesmo tempo um determinado posto ou função”, afirmou o governante esta terça-feira.

Eugénio Laborinho falava na abertura do Primeiro Fórum sobre Liderança e Desenvolvimento de Pessoas da Polícia Nacional de Angola, inserido nas actividades comemorativas do 47º aniversário da corporação, a assinalar a 28 de mês em curso.

Segundo o ministro, o que determina a mudança de posto é a diuturnidade, o resultado da avaliação que se faz, a cobertura financeira e a necessidade operacional.

Eugénio Laborinho lembrou que a gestão do pessoal da Polícia Nacional tem a sua especificidade, tal como qualquer outro órgão de cariz militar ou militarizado.

Adiantou que a especificidade decorre de regras próprias resultantes da natureza e missão da instituição, o que na prática exige rigor, isenção, transparência e comunicação clara e concisa.

Sublinhou que a hierarquia policial pressupõe a existência de agentes, subchefes e oficiais a vários níveis, daí a necessidade dos critérios de progressão na carreira serem sobejamente conhecidos por todos, a fim de se evitar especulações.

O ministro considerou fundamental que as avaliações de desempenho sejam periódicas e que os avaliados tomem conhecimento dos seus resultados. “Isto fará com que cada um saiba se pode ou não beneficiar da progressão”.

Quanto ao Fórum sobre Liderança, destacou a abordagem relacionada com os critérios de atracção e retenção dos melhores quadros.

Na sua intervenção, referiu que a temática é “bastante actual e importante, porquanto, no mundo contemporâneo, a disputa pelos melhores cérebros é permanente, de tal modo que ficam com os melhores quadros as instituições que adoptem políticas e estratégias eficientes de captação e retenção”.