Conecte-se agora

Mundo

EUA: Obamacare sobrevive ao voto final

Redação

Publicados

on

Sete anos e meio de intensa campanha contra o sistema de saúde criado por Barack Obama caíram ontem no fracasso – pelo menos no futuro previsível –, num voto dramático em Washington, nas primeiras horas de madrugada, em que a maioria republicana no Senado não conseguiu unir-se em torno do Plano C para revogar o Obamacare. A derrota de ontem é o mais duro golpe legislativo à maioria republicana no Congresso e à presidência de seis meses de Donald Trump, que durante a campanha eleitoral repetiu dezenas de vezes a missão de revogar o sistema de saúde do seu antecessor – apenas a construção de um muro na fronteira com o México foi mais vezes repetida.

«Três republicanos e 48 democratas desiludiram hoje o povo», escreveu Trump no Twitter, depois de John McCain, ex-candidato presidencial, antigo alvo do Presidente na campanha e a quem foi recentemente diagnosticado um cancro no cérebro, ter decidido a derrota ao recusar o terceiro plano republicano para substituir o actual sistema de saúde. O líder americano, que apoiou várias modalidades para rejeitar o sistema de saúde do seu antecessor, indicou uma vez mais que o que pretende fazer é deixar que o actual sistema entre em desvario. «Como digo desde o início, deixem o Obamacare implodir e depois negoceiem. Vão ver!».

A campanha republicana para repudiar o sistema de saúde de Obama conheceu várias encarnações apenas numa semana. A que foi rejeitada na madrugada de ontem era conhecida como o a «rejeição magra» e, na prática, anulava apenas algumas porções do actual sistema, como, por exemplo, a exigência de que cada cidadão tenha seguro, que grandes empresas garantam cuidados de saúde aos funcionários e um imposto sobre programas mais caros. Estas três alterações, ainda assim muito aquém do plano original do Partido Republicano, deixariam cerca de 16 milhões de norte-americanos sem seguro, de acordo com o Gabinete do Orçamento do Congresso, o órgão independente que avalia os impactos das legislações em debate. Os planos A e B, que caíram também por falta de consenso nos 52 senadores republicanos, queriam respectivamente anular por completo e substituir o sistema ou repudiá-lo e adiar dois anos a sua substituição. No entanto, nunca houve um plano alternativo que agradasse a ambas as linhas conservadora e mais liberal dos republicanos.

O sistema de saúde criado por Obama funciona através de um equilíbrio – consensualmente defeituoso – entre subsídios, multas e oferta mais ou menos livre de mercado na área de seguros de saúde, cujos custos aumentaram nos últimos anos. Em todo o caso, o mercado não parece em risco de «implodir». Chuck Schumer, o democrata que lidera a minoria no Senado, disse ontem que o seu partido não estava a «celebrar» e pediu acordo para corrigir defeitos no sistema actual.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (57)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD