Connect with us

Destaque

Estratégia de recuperação da Sonangol condicionada pelas eleições de Agosto próximo

Published

on

As reformas vitais do sector de petróleo, uma linha de vida para o regime, precisarão de aprovação do presidente que será eleito nas eleições de Agosto próximo para ter algum efeito.

A apenas 90 dias das eleições para se encontrar o sucessor do Presidente José Eduardo dos Santos, o sector petrolífero vive a pior crise dos últimos 10 anos. A Sonangol apresentou ao governo a proposta de reestruturação e o governo apenas está autorizado a lidar com assuntos do dia-a-dia ou correntes. Essa inércia pode revelar-se problemática. Angola precisa urgentemente de duas reformas-chave do sector petrolífero para avançar e mudar sua economia, em crise desde que os preços do petróleo atingiram mínimos histórico.

Um grupo de trabalho mandatado em fevereiro para elaborar um primeiro projecto de lei que cobre os recursos do gás natural do país ( AEI 788 ) está planejando enviar a nova legislação nos próximos dias, mas não haverá uma revisão em breve.

As apostas são altas. Para aumentar o crescimento, Angola espera vender o seu gás natural liquefeito (LNG). No entanto, a fábrica de liquefacção de Angola LNG, construída para vender 5,2 milhões de toneladas por ano, pode ficar sem gás dentro de quatro anos se não puder substituir os blocos de enchimento 15, 17 e 18 que irão abastecer a planta nos primeiros anos. Luanda também precisa encontrar compradores para LNG. A futura lei incluirá incentivos para que os investidores optem por trabalhar e comprar Gás em Angola e não de outros países.

Para simplificar os processos dentro do sector petrolífero, uma renovação completa da Sonangol foi lançada no início de 2016 pela presidente do Conselho de Administração Isabel dos Santos ( AEI 788 ). O primeiro rascunho dos textos que descrevem a reestruturação da organização e dos estatutos da empresa, elaborados pelos advogados da firma portuguesa Vieira de Almeida, estão quase prontos. No entanto, as coisas não poderão avançar, até que o novo governo que sair das próximas eleições entra em funções.

Importa realçar que MPLA partido no poder em Angola escolheu João Manuel Gonçalves Lourenço, actual Ministro da Defesa, para dar continuidade do projecto, não havendo garantia de que ele dê o mesmo foco às prioridades de seu antecessor.

Correio da Kianda / África intelligence

 

Colunistas