Connect with us

Politica

“Estamos vacinados contra a guerra” – Pedro Sebastião

Published

on

O ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Pedro Sebastião, afirmou hoje, no Luena, que o país pode dizer seguramente que “está vacinado contra a guerra”, depois dos horrores que provocou, dos filhos perdidos, das viúvas que ainda existem e dos mutilados que fez, e que apesar disso, sobreviveram.

Pedro Sebastião discursava, em representação do Presidente da República, no acto central do 17.º aniversário do Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, decorrido sob o lema “Paz, unidade e desenvolvimento”.

O ministro de Estado falou da necessidade da manutenção da paz, da conquista de um Estado que olhe para o bem-estar dos seus cidadãos, que procure vencer a cruzada contra a corrupção, a pobreza e o descaminho do património público. Pedro Sebastião sublinhou que nenhum angolano de bom senso e verdadeiramente patriota pode desejar ou provocar novamente tão grande desgraça ao seu país, a guerra.

“Depois dos horrores e dos filhos perdidos, das viúvas que ainda existem e dos mutilados que sobreviveram, pode-se dizer, seguramente, que estamos vacinados contra a guerra”, afirmou.

Perante membros do Executivo, deputados de todos os partidos com assento parlamentar, autoridades eclesiásticas, sociedade civil, autoridades tradicionais e os soberanos do Moxico, o chefe da Casa de Segurança do Presidente da República afirmou que a guerra que o país viveu durante 27 anos já pertence ao passado, embora exista o dever de recordar aqueles que verteram o seu sangue e deram o melhor de si, até a própria vida, para que fosse possível a paz e a reconciliação entre irmãos desavindos.

“É a partir de lições tiradas do passado que podemos projectar melhor o nosso futuro como Nação independente e soberana, apostada em dar o melhor aos seus filhos, em nome do progresso e bem-estar”, disse o ministro, para quem “o país sabe o alto preço que pagou pela guerra durante 27 anos marcados por lágrimas, dor, luto, insegurança e medo de nós mesmos”.

 

C/ JA