Connect with us

Sociedade

Especialistas divergem quanto às provas para ingresso ao ensino secundário

Published

on

As opiniões dos participantes do programa Capital Central, da Rádio Correio da Kianda, divergem em torno da implementação das provas para o ingresso dos alunos ao ensino médio e Institutos Técnicos Agrários das instituições público-privadas e privadas.

O governo, através do director do Instituto Nacional de Formação de Quadros do Ministério da Educação, anunciou esta semana que a partir do ano lectivo 2024/2025, a admissão dependerá de um teste escrito.

Para o professor Dikyamini Bokolo, a medida é boa, mas defende rigor na aplicação das provas, para evitar actos de corrupção.

“Considero a medida muito assertiva, mas é necessário reforçar a fiscalização para evitar corrupção que tem sido evidente nos últimos dias”, disse.

O especialista em gestão e administração pública, Denilson Duro, discorda e sustenta que a medida surge para justificar a exiguidade de salas de aula existente no país.

“Isso é mais uma medida para justificar a escassez de salas de aula no país. Então, um aluno que você formou desde o nível primário, agora tem que o testar, não confia na formação anterior?”, questionou.

A mesma opinião é partilhada pelo politólogo Luís Paulo Ndala, que sustenta que a implementação do teste de admissão penaliza os alunos que estudam em condições precárias.

Já o sociólogo e jurista Samora Neves, afirma que a medida é bem vinda, uma vez que poderá avaliar a qualidade dos alunos e melhorar o sistema de ensino e aprendizagem.

Formado em radiojornalismo, com passagem por órgãos de comunicação social públicos e privados. Possui formação internacional em Comunicação e Multimedia. Estudante do curso superior de Gestão/Comunicação e Marketing.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *