Connect with us

Sociedade

Especialista recomenda aulas de tecnologia no ensino de base

Published

on

A Directora da PetroShore Compliance, Andrea Moreno, recomendou ao Executivo angolano a implementação de aulas ligadas a tecnologia de informação no ensino de base, de modo a se criar cultura de prevenção desde a infância, numa altura em que as crianças têm mais facilidade em manusear aparelhos electrónicos e acesso a Internet.

“As tecnologias de informação e conhecimento deveriam estar já desde o ensino de base, porque hoje, praticamente, todas as crianças têm acesso aos telefones dos país. Então, muito cuidado com o acesso as crianças, criar cultura de precaução, de prevenção desde a infância. E também investir em informação e em investigação científica”, recomendou Andrea Moreno, falando sobre “Cibersegurança” no primeiro Conselho Consultivo, organizado, sexta-feira, 27 de Agosto, pelo Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social.

Ao responder a uma questão do Correio da Kianda sobre o surgimento de tentativa de burlas electrónicas praticadas por elementos que usam o nome de instituições públicas e privadas, a especialista repara que a falta de informação permite que os burladores se aproveitem do desconhecimento e falta de interesse da verificação da verdade, gerando, por outro lado, a fake news e os ataques.

“Eles se aproveitam da inocência ou da falta de precaução do utilizador. Também há outro aspecto, algumas vezes, os utilizadores pensam que vão conseguir somar a oportunidade em determinadas situações, acabam caindo na burla. Mas, na verdade, o que queriam era tirar a vantagem de uma determinada situação”, precisou.

Em gesto de recomendação, Andrea Moreno entende que esta preocupação em conter crimes digitais deve começar com o utilizador, fazendo denúncias, especificamente porque nenhuma rede social é segura, uma vez que os usuários continuam a fazer publicações e publicidades enganosas.

Para ela, a internet oferece perigos reais, por essa razão, a proteção contra crimes digitais, a formação e a conscientização das ferramentas de informática são fundamentais pata todos, empresários, Estado, instituições e usuários. E em caso de dúvidas, advertiu, “evitar baixar arquivos que não sejam conhecidos, responder a mensagens de pessoas desconhecidas sem verificar os endereços, isso pode gerar um problema para a pessoa e para a instituição que ela trabalha, porque os computadores são conectados em rede, e o usuário deve ser realmente capacitado”, finalizou.

Por Pedro Kididi