Connect with us

Economia

“Embarcações estrangeiras estão a causar caos no sector pesqueiro nacional”, denuncia especialista

Published

on

São embarcações chinesas, espanholas, russas e japonesas que, segundo o especialista em recursos marinhos, Faztudo, estão a causar escassez de peixe no mercado angolano.

Faztudo Quaresma faz crer que essas embarcações actuam sob protecção de figuras angolanas, tudo porque usam títulos de embarcações nacionais, o que está a causar caos no sector pesqueiro e um clima de impunidade.

De acordo com o especialista, todos os dias, centenas destas embarcações se fazem aos mares de Benguela para e arrastam todo o pescado nacional, destruindo a fauna, com actos ilegais.

“Quem está a destruir a fauna marinha angolana, 90% são os barcos expatriados”, começa por relevar, acrescentando que estas embarcações estão licenciadas pelo governo, mas com títulos de armadores nacionais.
Denuncia ainda a existência de “muita corrupção”, no sector, sobretudo no processo de licenciamento.

“A pescaria aqui na caota, vemos aquela frota enorme, toda ela chinesa, com navios de grande porte, são cargas elevadíssima de peixes diversos e não são autuados”, denunciou.

Referiu ainda que recebe reclamações de cidadãos nacionais que trabalham no sector e que são ameaçados de despedimentos sempre que questionam para a observância das normas.

Em termos de fiscalização, Benguela tem, actualmente, uma única fragata que supervisiona todos os mares da província, o que no entender do especialista é insignificante para a dimensão da zona pesqueira da região, pois atende também a vizinha província do Cuanza Sul.

“Em média, nós teríamos cá na província de Benguela, para acudir o território, no mínimo quatro fragatas. O Cuanza Sul teria no mínimo duas fragatas e quatro na província do Namibe”, revelou.

Os armadores de peixe na província afirmam mesmo que há uma falta gritante de peixe nos mercados de Benguela por conta da actividade das embarcações estrangeiras que fazem arrastões nos mares.

Entretanto, as autoridades ainda não se pronunciaram sobre o caso.