Connect with us

Lifestyle

“Era uma vez o campo político angolano”, de Fidel Reis chega às bancas

Published

on

A edição revista do livro “Era uma vez o campo político angolano”, do escritor angolano Fidel C. Reis, é lançado hoje, em Luanda, às 18 horas.

Integrada na colecção “Afluentes”, da editora Kacimbo, a nova edição resulta do trabalho apresentado por Fidel C. Reis, “como exemplo notável da atitude metodológica necessária para o renascimento em curso da historiografia do continente africano e das respectivas histórias nacionais. Originado a partir de sua tese de doutoramento, este livro destaca-se pelo seu alcance cronológico e a inclusão de conteúdos temáticos adicionais.”, lê-se na nota a qual o Correio da Kianda teve acesso.

Segundo a apresentação, a obra aborda o período do início da luta pela descolonização, no novo contexto político e ideológico que emergiu após a Segunda Guerra Mundial. Dentro do espaço angolano deste período, surgem movimentos que reivindicam a soberania territorial na década de 1950 e a opção pela luta armada na década seguinte. Ao longo de uma década e meia, nasce o campo político nacionalista, que se estrutura através de sucessivas reconfigurações.

“Compreender as crises vividas pelos actores envolvidos, nomeadamente as organizações nacionalistas, é fundamental para apreender a riqueza e complexidade deste processo revolucionário e o seu desenvolvimento”, destaca o comunicado.

O autor, Fidel C. Reis, é doutorado em História Moderna e Contemporânea, com especialização em História Política e Institucional no Período Contemporâneo, pelo Instituto Universitário de Lisboa (IUL), do ISCTE. Além disso, é professor auxiliar do Departamento de História da Faculdade de Ciências Sociais (FCS) da Universidade Agostinho Neto (UAN). As áreas de pesquisa de Fidel C. Reis concentram-se na História Contemporânea de Angola, com foco em questões políticas e institucionais. É autor de artigos que exploram a dinâmica do campo político angolano e é membro do Conselho Editorial da Mulemba – Revista Angolana de Ciências Sociais.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas