Connect with us

Mundo

“Enviar-me para a prisão no auge de uma pandemia equivale a uma sentença de morte”

Published

on

O ex-Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, excluiu este domingo a possibilidade de rendição às autoridades, quando faltam algumas horas para o fim do prazo estipulado pelo tribunal para se apresentar. Em conferência de imprensa, no seu bastião, Kwazulu-Natal, o antigo chefe de Estado Sul africano disse: “não há necessidade de eu ir hoje para a prisão”.

Zuma foi condenado, na última terça-feira, a 15 meses de prisão pelo Tribunal Constitucional por se ter recusado repetidamente a testemunhar em investigações de corrupção do Estado, em que alegadamente esteve envolvido.

Mas o tribunal aceitou, no sábado, um pedido do político para rever o seu julgamento, uma tentativa sua de evitar ser colocado atrás das grades pelo menos até uma nova audiência, marcada para 12 de Julho. “Eles não podem aceitar os papéis e esperar que eu me apresente na prisão”, afirmou Zuma, que até ontem à noite se deveria entregar numa esquadra. Caso contrário, a Polícia tem instruções para o deter dentro de três dias e levá-lo para uma prisão onde começará a cumprir a sua pena.

Tecnicamente, a nova audiência não suspende a decisão do Tribunal Constitucional, que os especialistas em direito constitucional dizem ser “histórica” e não pode ser objecto de recurso. Segundo os peritos constitucionais: “Enviar alguém para a prisão sem julgamento é uma farsa de justiça”, referiu Zuma, na conferência de imprensa, acrescentando: “Enviar-me para a prisão no auge de uma pandemia, na minha idade, equivale a uma sentença de morte”.

O ex-presidente de 79 anos tinha denunciado anteriormente uma “violação dos seus direitos” pelos juízes, considerando que o condenaram à morte, em frente de uma multidão reunida em torno da sua casa em Nkandla. “Quando vi a Polícia aqui, perguntei-me como iriam chegar até mim, como iriam passar por todas estas pessoas”, disse o antigo presidente aos seus apoiantes, que cantavam o seu nome enquanto ele aparecia no palco.

Se a Polícia “vier aqui para prender Ubaba (o pai, em Zulu), terá de começar por nós”, disse Lindokuhle Maphalala, um dos seus apoiantes, à agência de notícias francesa AFP.

O ANC, o partido de que Zuma foi líder, enviou uma delegação à província oriental de Kwazulu-Natal para apelar à calma e a presença da polícia foi intensificada. O ex-presidente é acusado de ter saqueado dinheiro público durante os seus nove anos no poder. Foi forçado a demitir-se e foi substituído pelo actual presidente, Cyril Ramaphosa.

Jacob Zuma está também a ser julgado por um caso de suborno que data de há mais de 20 anos. É acusado de recebido mais de quatro milhões de rands (235.000 euros à taxa atual) da francesa Thales, que foi uma das empresas a quem foi adjudicado um lucrativo contrato de armas no valor de cerca de 2,8 mil milhões de euros.

Por Lusa

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (14)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (25)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (88)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (21)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2021 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD