Connect with us

Economia

ENI já descobriu dois mil milhões de barris de petróleo em Angola

Published

on

A empresa italiana ENI tem registado sucesso na suas acções de exploração de petróleo em Angola, o que a permitiu descobrir, desde 2018, dois mil milhões de barris de petróleo no Bloco 15/06.

A informação foi revelada nesta terça-feira, 06, em Luanda, pelo CEO de Eni, Cláudio Descalzi, ao Presidente da República, João Lourenço, com quem reuniu para analisar o progresso das actividades da Eni no país e discutir novas áreas de cooperação.

Segundo uma nota de imprensa da petrolífera, a que o Correio da Kianda teve acesso nesta terça-feira, a empresa conseguiu realizar o desenvolvimento ultrarrápido destas descobertas, confirmando o tempo recorde de comercialização da Eni, reduzindo ao mesmo tempo as emissões de dióxido de carbono das operações.

No encontro, o CEO da ENI também actualizou o Presidente sobre o desenvolvimento de um terceiro pólo de produção no Bloco 15/06, que permitirá colocar em produção todo o potencial da descoberta de Agogo.

João Lourenço e Cláudio Descalzi analisaram o progresso das iniciativas renováveis e de downstream. A Solenova JV (Sonangol 50%, Eni 50%) completou as actividades iniciais da primeira fase da central fotovoltaica de Caraculo, e tem o seu arranque previsto para 2022.

Relativamente ao downstream, a Eni renovou o seu compromisso na Refinaria de Luanda onde, cujos níveis de operacionalização do activo tem registado melhorias significativamente nos últimos três anos.

O empresário italiano informou ao Presidente João Lourenço as acções em curso sobre o Novo Consórcio de Gás que permitirá desenvolver e rentabilizar campos de gás não associados, aumentando a capacidade de Angola para produzir LNG e a disponibilidade de gás doméstico para o desenvolvimento industrial do país.

Outro ponto que fez parte da agenda da reunião foi o progresso das iniciativas de desenvolvimento local da Eni, que se centram no desenvolvimento agrícola, acesso à água, energia, educação e saúde, bem como iniciativas de desminagem, acesso à terra e diversidade & inclusão.

Mais de 100 técnicos angolanos estiveram envolvidos em programas de formação específicos em Itália e Angola, com o objectivo de aumentar a capacidade de produção de gasolina, permitindo ao país reduzir a sua dependência da importação de produtos acabados, está em construção, esperando-se o seu arranque em 2022.

Angola desempenha um papel fundamental na estratégia de crescimento orgânico da Eni, que está presente no País desde 1980. Para além do Bloco Operado 15/06, com dois pólos de produção, e o desenvolvimento de um terceiro pólo no campo de Agogo, a Eni opera actualmente na fase de exploração o Bloco 1/14 (offshore da Bacia do Baixo Congo), e os Blocos Cabinda Norte e Cabinda Centro (onshore) e em breve aumentará as suas áreas operadas com o Bloco 28 no offshore da Bacia do Namibe. A cota-produção actual é de cerca de 120.000 barris de petróleo equivalente por dia.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (24)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (27)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (91)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (22)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania