Connect with us

Economia

Empresas americanas contribuem para estabilização da produção petrolífera em Angola 

Published

on

A Chevron e a ExxonMobil integram o grupo de seis empresas americanas presentes em Angola e que contribuem para a manutenção dos níveis de produção petrolífera do país. A Chevron tem uma quota de 26% no mercado e a ExxonMobil está presente em três blocos de águas profundas, tendo anunciado recentemente um investimento de 15 milhões de dólares no desenvolvimento da bacia offshore até 2030.

Com planos para aumentar a produção petrolífera para 1,18 milhões de barris por dia (bpd) em 2024, Angola tem vindo a trabalhar para criar melhores condições de investimento e de trabalho para os operadores estrangeiros não só no sector petrolífero, mas também no do gás. Com nove mil milhões de barris de petróleo e 11 biliões de pés cúbicos de gás natural em reserva, Angola começou agora a apostar consistentemente na exploração deste produto. 

O país está preparado para beneficiar do capital e da experiência das empresas e dos investidores americanos, cuja presença no país têm resultado em compromissos regulares a mais alto nível e numa cooperação crescente à volta de objectivos comuns.

Com uma quota de mercado de 26% na indústria petrolífera angolana, e classificada como um dos principais produtores de petróleo do país, a Chevron opera através da sua subsidiária Cabinda Gulf Oil Company. Opera os Blocos 0 e 14 e ostenta uma produção de 70.000 bpd. Esta subsidiária assinou um Memorando de Entendimento com o governo de Angola em Outubro de 2023 para explorar o potencial de oportunidades de negócios com baixo teor de carbono no país.

A Chevron também tem sido fundamental no desenvolvimento do projecto Angola LNG, no Soyo, que, em meados de 2023, expediu para o exterior a sua 400ª carga de LNG. 

Reforçando ainda mais o sector downstream de Angola, a Chevron gere uma instalação de topping com um nível de produção de 16.000 bpd.

A multinacional de petróleo e gás ExxonMobil detém interesses em três blocos de águas profundas – Blocos 30, 44 e 45 – em Angola, cobrindo aproximadamente 8.000 km2. Em Novembro de 2023 foi anunciado que a petrolífera recebeu autorização do Governo angolano para prolongar por mais um ano a exploração dos blocos que explora na bacia do Namibe. Acresce, de acordo com informação da empresa, um investimento de 15 mil milhões de dólares no desenvolvimento da bacia offshore até 2030, demonstrando o sucesso das descobertas comerciais de petróleo e o compromisso da empresa com investimentos a longo prazo no país.

Prestação de serviços à produção petrolífera

A empresa de energia Baker Hughes, juntamente com outras empresas de serviços, assegurou contratos no valor de 7,8 mil milhões de dólares em Fevereiro de 2023 para o projecto de desenvolvimento do Agogo Integrated West Hub em Angola. Foi ainda adjudicado à Baker Hughes o contrato para o fornecimento do sistema de produção submarina e serviços pós-venda. O projeto representa um dos maiores desenvolvimentos a montante no país e é um marco significativo para a Baker Hughes nos sectores das infra-estruturas energéticas e da tecnologia.

Presente em Angola desde os anos 80, a empresa de serviços de engenharia Oceaneering fornece veículos operados remotamente, equipamento de mergulho, serviços de integridade, gestão de navios e engenharia para as operações petrolíferas e de gás em Angola. Em Setembro do ano passado, a empresa foi selecionada para apoiar os trabalhos de transporte e instalação no projecto de Extensão Vida do Girassol, que se prolongará até finais de 2025.

Com mais de 80 anos de experiência operacional em África, a empresa global de tecnologia SLB demonstrou o seu compromisso com o sector energético em Angola apoiando as necessidades da indústria do país em todos os ciclos de petróleo e gás. Durante a conferência e exposição AOG 2023 do ano passado, a SLB assinou um acordo de serviços técnicos com a empresa de petróleo e gás Etu Energies para definir o âmbito do trabalho, as condições de pagamento e os prazos para a sua parceria comercial em Angola. O acordo abrange o desenvolvimento do Bloco 2/5 e contempla o desenvolvimento de poços de engenharia e serviços complementares tecnológicos de ponta-a-ponta.

Com bases operacionais em Cabinda e Viana, a empresa de serviços energéticos Weatherford conta com cerca de 500 colaboradores em Angola. Recentemente, foi-lhe adjudicado um contrato de dois anos para serviços de execução de tubagens convencionais para as operações offshore em águas profundas da Chevron.

O sucesso destas empresas no mercado angolano demonstra não só a viabilidade do investimento em Angola, mas também o potencial de elevado retorno dos seus investimentos.