Connect with us

Mundo

Eleições no Senegal adiadas para 15 de Dezembro

Published

on

As eleições presidenciais no Senegal que deveriam ocorrer este mês foram adiadas para 15 Dezembro, após aprovação, quase por unanimidade, esta segunda-feira, 05, do projecto de lei, com 105 votos a favor e um contra, depois dos deputados da oposição terem sido retirados à força do hemiciclo.

A medida sem precedentes que suscitou preocupação internacional num país visto como um farol de estabilidade na África Ocidental, abre o caminho para que o Presidente Macky Sall permaneça no cargo até a tomada de posse de seu sucessor, apesar da preocupação crescente com a erosão da democracia.

A tensão se instalou no Senegal desde o passado sábado, quando Sall anunciou um adiamento da votação de 25 de Fevereiro, poucas horas antes do início oficial da campanha.

Na sequência, protestos violentos abalaram a capital, Dacar, com dois candidatos da oposição, incluindo a antiga primeira-ministra Aminata Touré, detidos e posteriormente libertados.

Ontem, o Governo senegalês chegou a suspender o acesso à Internet móvel, alegando a propagação de “mensagens odiosas e subversivas” nas redes sociais.

Entretanto, a oposição suspeita que o adiamento faz parte de um “plano presidencial” para evitar uma derrota, ou mesmo para prolongar o mandato de Sall, apesar deste ter dito que não se candidataria à reeleição.

Sall designou o primeiro-ministro Amadou Ba como seu sucessor. No entanto, com o partido no poder dividido quanto à sua candidatura, Sall enfrentaria uma possível derrota nas urnas.

No sábado, Macky Sall justificou o adiamento da votação devido a um diferendo entre a Assembleia Nacional e o Conselho Constitucional sobre a eleição de candidatos.

Com agências internacionais 

Colunistas