Connect with us

Mundo

Cinco candidatos exigem reorganização de novas eleições

Published

on

Cinco candidatos que concorrem à presidência da República Democrática do Congo emitiram uma declaração conjunta, nas últimas horas desta quarta-feira, 20, onde os cinco dos dezanove candidatos exigem a reorganização das eleições gerais na RDC.

Os signatários da declaração são Floribert Anzuluni, Nkema Lilo, Theodoro Ngoyi, Denis Mukwege e Martin Fayulu, que negam qualquer extensão de votação para hoje,  21 de Dezembro.

O documento dos cinco concorrentes diz que “as eleições gerais de 20 de Dezembro de 2023 não deverão prosseguir até quinta-feira, 21 de Dezembro de 2023”.

Os signatários sustentam que a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) está inconstitucional e legalmente incapaz de tomar tal decisão.

Os políticos, que se opõe a extensão do tempo de votação de um para dois dias (20 e 21), apelam ao povo congolês, ao Governo, à SADC, à União Africana e à comunidade internacional para exigirem a reorganização de novas eleições em condições que garantam a igualdade dos concorrentes.

Entretanto, num comunicado de imprensa, a qual a Rádio Correio da Kianda teve acesso, a CENI reconhece de facto o atraso registado no início das operações de votação em algumas assembleias de voto do país, entretanto, aquele órgão que superintende o processo eleitoral na RDC diz que, “as mesas de voto que abriram tarde funcionarão durante 11 horas, do dia 21, portanto, nesta quinta-feira, conforme previsto na lei, para permitir a cada eleitor votar.”

Acompanhe a cobertura completa das eleições na RDC, na Rádio Correio da Kianda, em 103.7 FM para Luanda, e no portal www.correiokianda.info.

Por Queirós Chilúvia, directo da República Democrática do Congo 

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.