Connect with us

Mundo

Egipto realiza eleições com previsão de terceiro mandato do actual presidente

Published

on

O Egipto realizará uma votação presidencial nos dias 10 e 12 de Dezembro, disse a autoridade eleitoral nesta segunda-feira, e é amplamente esperado que o presidente Abdel Fattah al-Sisi seja reeleito, apesar de uma crise económica que inclui inflação recorde e escassez de moeda estrangeira.

Sisi, de 68 anos, pode candidatar-se a um terceiro mandato devido às alterações constitucionais de 2019 que também prolongaram a duração dos mandatos presidenciais de quatro para seis anos, abrindo caminho para que ele permaneça no cargo até pelo menos 2030.

Os resultados eleitorais deverão ser anunciados em 18 de Dezembro e, no caso de um segundo turno, os resultados finais deverão ser anunciados o mais tardar em 16 de Janeiro, disse a autoridade eleitoral.

Embora Sisi não tenha anunciado formalmente a sua candidatura, os partidos pró-governo iniciaram uma campanha que inclui cartazes em todo o Cairo apoiando a sua reeleição.

Sisi foi declarado vencedor das eleições de 2014 e 2018 com 97% dos votos. Em 2018, ele enfrentou apenas um oponente, ele próprio um fervoroso defensor de Sisi, depois que o principal adversário foi preso e outros candidatos se retiraram, alegando intimidação.

Quatro outros candidatos manifestaram a intenção de concorrer desta vez, principalmente um antigo membro do parlamento, Ahmed Eltantawy, que afirma que os serviços de segurança prenderam alguns dos seus associados e impediram-no de realizar eventos eleitorais. As autoridades não responderam às suas alegações.

O ex-chefe do exército Sisi tornou-se presidente em 2014, um ano depois de ter liderado a derrubada do democraticamente eleito Mohamed Mursi da Irmandade Muçulmana, após protestos contra o governo de Mursi.

Analistas dizem que Sisi mantém o apoio dos serviços de segurança, principalmente do exército, que se tornou mais poderoso e expandiu a sua influência económica.

A presidência de Sisi foi marcada pela repressão à dissidência em todo o espectro político.

Sisi e os seus apoiantes disseram que as medidas eram necessárias para trazer estabilidade após a deposição do ex-presidente Hosni Mubarak em 2011 nas revoltas da “Primavera Árabe” e preparar o caminho para o desenvolvimento económico.

Os activistas dizem que dezenas de milhares de pessoas foram presas desde 2013, muitas vezes sem julgamentos justos, e que a repressão continuou apesar do perdão de alguns prisioneiros de alto perfil e do lançamento de um diálogo político nacional.

Por Reuters

Colunistas