Connect with us

Politica

Dois anos depois, Bissau volta a ter embaixador angolano

Published

on

O novo embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola na Guiné-Bissau, Mário Augusto, apresentou, esta quinta-feira, 22, em Bissau, as suas cartas credenciais ao presidente daquele país, Umaro Sissoco Embaló. Tal acreditação ocorre dois anos após João Lourenço ter exonerado o então embaixador de Angola naquele país, Daniel António Rosa, tendo sido nomeado para assumir as mesmas funções em Singapura.

Em Março de 2020, o então presidente eleito da Guiné-Bissau, Sissoco, acusou João Lourenço de interferir nos assuntos internos do seu país, por ter recebido o líder da oposição, Domingos Simões Pereira, em Luanda, durante o diferendo pós-eleições presidenciais, de 2019, tendo criticado também o facto de João Lourenço ter levado os filhos de José Eduardo dos Santos à Justiça.

“Imaginem, eu Umaro Sissoco Embaló, mandar prender o filho de José Mário Vaz ou qualquer membro da sua família”, disse à época, Sissoco Embaló, citado pelo jornal O Democrata.

“Eu não sou ingrato, mas o meu homólogo angolano está a perseguir a pessoa que lhe entregou o poder de uma forma gratuita. Eu fui eleito pelo povo guineense. Ao João Lourenço foi dado o poder de ‘bandeja’ pelo presidente José Eduardo Santos, um homem que lutou pela paz em Angola e que merece respeito”, acrescentou, afirmando ainda que João Lourenço deveria “pôr a mão na consciência e lembrar que o presidente José Eduardo dos Santos lhe deu tudo”.

“O cão não morde a mão que o alimenta, portanto, lamento ouvir críticas a partir de Angola sobre os problemas da Guiné-Bissau”, disse Umaro Sissoco Embaló que considerou ainda Angola como “o país mais violento no século XX e XXI”.

Tais declarações fizeram com que o presidente angolano retirasse o embaixador daquele país, em 2020, tendo nomeado somente a 12 de Outubro de 2022, Mário Augusto, que agora toma posse.

O diplomata já assumiu as funções de ministro-conselheiro da Embaixada de Angola em Portugal, bem como as de representante adjunto de Angola junto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Licenciado em Direito, o embaixador Mário Augusto é especializado em Relações Internacionais e Comunicação. É autor de dois livros, nomeadamente “As Nações Unidas no Contexto do Direito Internacional” (2005) e “Os Conflitos e a Experiência de Angola na Sua Resolução” (2019).

Colunistas